Topo

Coluna

Oscar Roberto Godói


Até que enfim! Escala de árbitros da 38ª rodada pode ser considerada neutra

Ale Cabral/AGIF
Imagem: Ale Cabral/AGIF
Oscar Roberto Godói

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000.

30/11/2018 17h38

Demorou um campeonato inteiro para a Comissão de Arbitragem da CBF aprender a fazer uma escala neutra. Incrível! Com tantos recursos tecnológicos e financeiro, comprar um programinha simples de computação ajudaria a evitar que um erro natural virasse suspeita ou certeza de armação.

Sabemos que os conflitos de interesses na última rodada são bem menores. Mesmo assim, conhecendo como gostam de agir os comandantes do apito brasileiro, a escala de árbitros da última rodada pode ser considerada neutra. Até que enfim.

Palmeiras e Vitória entram em campo contrastando a alegria do título com a tristeza do rebaixamento. Já que se trata de um jogo que não vale nada em termos de classificação e pontuação, nada melhor do que um árbitro que, também, não almeja mais nada na carreira. Heber Roberto Lopes, da Federação Catarinense, ex-integrante do quadro internacional da Fifa e o melhor do Brasil por alguns anos, participa da festa palmeirense.

O Grêmio tenta garantir uma vaga direta na Libertadores jogando contra o Corinthians com apito de Ricardo Marques Ribeiro, Federação Mineira, ainda integrante da Fifa e um dos mais experientes no quadro da CBF.

O Galo Mineiro almeja vaga na pré-Libertadores e joga contra o Botafogo com apito de Bráulio Machado, Federação Catarinense, árbitro que teve excelentes oportunidades no Brasileirão, se saindo bem na maioria dos jogos. Flamengo e Atlético-PR fazem um jogo que só interessa aos paranaenses que disputam vaga com o Atlético-MG. O árbitro Flávio de Souza, muito pouco aproveitado em 2018, da Federação Paulista, será o responsável pelo apito.

Paraná e Inter jogam com apito de Rodrigo Miranda, do Rio, jogo que não interessa a ninguém. Bahia e Cruzeiro fazem outro jogo que, também, significa nada. Apito de Bruno Araújo, da Federação do Rio. Interessante, jogos que não valem nada deram para os cariocas apitarem.

Nos jogos que definirão mais dois rebaixados teremos árbitros que fizeram excelente campeonato. Ceará e Vasco jogam com Raphael Claus, Fifa da Federação Paulista. Sport e Santos entram em campo com apito de Anderson Daronco, Fifa da Federação Gaúcha.

A Chapecoense tenta se salvar contra o São Paulo com apito de Wilton Sampaio, Fifa da Federação Goiana e o mais importante árbitro brasileiro, para a Fifa. No jogo dos desesperados Fluminense x América-MG, a arbitragem será de Rafael Traci, do Paraná, forte candidato ao prêmio de melhor do Brasil em 2018.

Rezando e torcendo, sofrendo e chorando de alegria ou tristeza, assim será do domingo de muita gente. Outros estão e muitos ficarão felizes com desgraça alheia. Assim é o futebol.

E a culpa é de quem?

Mais Oscar Roberto Godói