Topo

Coluna

Oscar Roberto Godói

Times prejudicados pela arbitragem levam a melhor no fim do Brasileirão

Alexandre Loureiro/Getty Images
Goleiro Júlio César salvou o Fluminense ao se adiantar em cobrança de pênalti do América-MG Imagem: Alexandre Loureiro/Getty Images
Oscar Roberto Godói

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000.

03/12/2018 13h41

O Brasileirão terminou de maneira surpreendente, ninguém reclamando das arbitragens. Nem quem garantiu o rebaixamento na última rodada transferiu para os árbitros a incompetência administrativa e técnica do time. Isso é muito bom.

Tivemos boas arbitragens nas três últimas rodadas e, onde tivemos erros no apito ou na bandeira, o time prejudicado levou a melhor e os equívocos caíram no esquecimento. Porém o descumprimento mundial da regra transferiu para um personagem a culpa maior pelo rebaixamento da sua equipe. Pior, nem ele reclamou.

A torcida do América deve estar culpando o atacante Luan pela derrota para o Fluminense, 1 a 0, e o consequente rebaixamento. Quando o placar era 0 a 0, o árbitro Rafael Traci acertou em marcar pênalti de Marlon em Aderlan. Mas, como sempre, alguém ainda teve coragem de reclamar. Gum, zagueiro capitão do Flu, ficou questionando o que?

Luan, encarregado da cobrança, chutou e o goleiro Júlio César defendeu. Ninguém do América questionou, reivindicou, esperneou ou pressionou o árbitro para que a cobrança fosse repetida. O goleiro do Fluminense adiantou-se escandalosamente e ninguém do América exigiu que o árbitro cumprisse, corretamente, a regra.

Se o prejudicado não reclama, fica fácil para a arbitragem rasgar o livro de regras.

No jogo da festa palmeirense, o árbitro Héber Roberto Lopes cometeu dois erros que não interferiram no resultado final, ou seja, na vitória do Palmeiras, 3 a 2, contra o rebaixado Vitória.

Deixou de marcar pênalti em Deyverson, entendendo que o atacante palmeirense encenou demais na queda. Errou, falta deve ser marcada pela maneira que ela foi cometida e não pela consequência.

Outro erro do árbitro aconteceu quando marcou pênalti para o Vitória. A falta cometida pelo zagueiro Antonio Carlos foi fora da área. Mas dá para entender e aceitar o erro. Só com o uso de equipamento eletrônico para definir que o choque acontece fora da área. No olho humano, na velocidade real das imagens, ninguém afirma que a infração acontece fora da área.

Héber Lopes acertou quando entendeu como jogada normal a bola que tocou na mão do zagueiro Bruno Bispo, dentro da área defensiva do Vitória. Quando o árbitro tem "sorte", o time prejudicado vence o jogo, Palmeiras 3 x Vitória 2.

Leia mais colunas do árbitro Oscar Roberto Godoi:

Mais Oscar Roberto Godói