Topo

Coluna

Oscar Roberto Godói


Árbitro inexperiente vai bem em clássico. Já o assistente veterano...

Ale Cabral/AGIF
Manoel comemora com companheiros de Corinthians o gol marcado contra o São Paulo Imagem: Ale Cabral/AGIF
Oscar Roberto Godói

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000.

2019-02-18T12:07:47

18/02/2019 12h07

Não basta sem um bom árbitro é preciso ter sorte! Ou, competência. Diferentemente do que previa, o clássico Corinthians x São Paulo começou com disciplina e respeito mútuo entre jogadores, um árbitro, mesmo inexperiente, demonstrando confiança, tranquilidade e acerto nas decisões tomadas até que o assistente Emerson Carvalho, o mais gabaritado de todos da arbitragem, tendo integrado o quadro da FIFA e participado de Copa do Mundo, cometesse um erro grosseiro.

Como o assistente não viu que a bola estava fora do campo quando o corintiano Clayson efetuou o cruzamento? Mesmo que não tivesse corrido tanto quanto o jogador e chegado na linha de fundo junto, por experiência teria que deduzir que, se a perna direita de apoio estava em cima da linha, a esquerda só poderia estar totalmente fora do campo para alcançar a bola.

Carimba que o gol foi legal! A jogada irregular terminou em escanteio para o Corinthians. Cruzamento, cabeceio, defesa do goleiro e gol, 1 a 0, só confirmado pela decisão correta do assistente Emerson Carvalho. A bola entrou totalmente e foi fácil de ser observada tendo como referência a trave. 
Coincidentemente, após o intervalo, tendo tomado conhecimento ou não do erro cometido, o árbitro Lucas Bellote errou a favor do São Paulo ao não marcar falta de Antony em Danilo Avelar, optando pelo escanteio.

Carimba que o gol foi legal! Cruzamento, cabeceio, gol, 1 a 1. Tudo igual, no placar e nos erros de arbitragem que resultaram em gols. 

Como o jogo prosseguiu, tivemos mais lances discutíveis. O árbitro acertou em não marcar falta de Vagner Love no goleiro Thiago Volpi, no segundo gol do Corinthians. Foi o goleiro que trombou com o atacante. Nem os companheiros apoiaram o goleiro nas reclamações.

O São Paulo empatou o jogo com Arboleda, mas a jogada já havia sido interrompida, equivocadamente, pelo árbitro. Se marcou falta de Carneiro, entendo que foi bola na mão. Se marcou impedimento de Pablo, atendendo seu assistente, também errou.

Árbitros competentes precisam de uma oportunidade, os incompetentes dependerão de muitos favores.
 

Mais Oscar Roberto Godói