UOL Esporte Futebol
 
10/06/2010 - 07h08

Após apoios, Morumbi corre novo risco e pode ser excluído da Copa-14, diz jornal

Do UOL Esporte
Em São Paulo

Após o ministro Orlando Silva, o Comitê Executivo de São Paulo e o presidente Lula terem reiterado apoio ao estádio do Morumbi como sede paulista na Copa do Mundo de 2014 e o São Paulo ter desistido, segundo o jornal Folha de S. Paulo, do projeto que viabilizaria a abertura da competição em seu estádio, parecia que a novela “Morumbi na Copa” caminhava para uma fase mais calma. Entretanto, declarações do diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, e informações dos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo podem gerar uma reviravolta no drama. Segundo eles, a Fifa não aceitará um projeto mais modesto para a reforma e a entidade pode inclusive excluí-lo do Mundial.

CAMINHO DO ESTÁDIO PARA TER DIREITO A SEDIAR COPA

Junho de 2009: Comitê muda projeto após críticas de Jerôme Valcke; Lula visita e apóia o estádio
Setembro de 2009: Valcke faz elogios ao projeto, mas pede melhorias; surgem rumores de que outras arenas podem ser construídas na capital
Março de 2010: Fifa diz que estádio só terá abertura se mudar projeto; Valcke faz mais elogios
Abril de 2010
Questão se envolve em política com eleição do clube dos 13; Fifa reafirma chance de semifinais
Maio de 2010
COL diz que Fifa aprova novo projeto do Morumbi


A edição desta quinta-feira do jornal O Estado de S. Paulo informa que, de acordo com um “alto executivo da entidade (FIFA), que está na África do Sul”, “não há a possibilidade de a arena (Morumbi) ser confirmada como sede do estado de São Paulo no evento”. No dia 13 de maio, o diário já havia afirmado que o Morumbi estaria fora da Copa, também citando com fonte um “alto executivo” da FIFA.

Segundo o jornal, a entidade nem sequer vai analisar o projeto que será enviado pelo Comitê Executivo de São Paulo na segunda-feira. A fonte do diário ainda ameaça tirar a Copa do Mundo de 2014 do Estado mais rico do país, afirmando que se o comitê insistir com o Morumbi, São Paulo vai passar a correr o risco de não ter nenhum jogo do Mundial.

Já a Folha publica que a Fifa está irritada com as decisões tomadas e com o fato de o Morumbi tentar fazer com que a entidade ou o governo paulista gastem com a obra.

Após receber o orçamento da obra que se enquadraria nas exigências da FIFA para sediar a abertura da Copa de 2014, o São Paulo se assustou com o preço: mais de R$ 636 milhões. Assim, teria optado por executar o projeto anterior, orçado em cerca de R$ 250 mi e já aprovado pela entidade máxima do futebol, mas que só permitira ao Morumbi receber partidas até as oitavas de final da competição.

A decisão foi corroborada pelo Comitê Executivo de São Paulo para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, que divulgou nota na manhã desta quarta-feira afirmando que segue apoiando o Morumbi como sede paulista na competição. No documento, diz ainda que enviará um novo projeto de requalificação do Estádio do Morumbi ao Comitê Organizador Local (LOC) da FIFA mostrando mudanças no projeto a fim de conseguir a abertura da Copa de 2014. Termina afirmando que mantém o otimismo e que confia que o estádio do São Paulo será credenciado para jogos decisivos.

Antes, o presidente Lula e o ministro Orlando Silva também já haviam declarado apoio. Este esteve na Câmara Municipal de São Paulo na terça-feira, onde disse que “o Morumbi não é um problema do São Paulo, mas de São Paulo”. O ministro dos Esportes cobrou ainda um estudo de viabilidade financeira do Morumbi com e sem o jogo inaugural. Já o presidente, em entrevista à ESPN Brasil, afirmou que “Não vamos ter que gastar dinheiro para fazer uma coisa nova quando já temos o Morumbi”.

Sem poder utilizar dinheiro público na obra, por se tratar de um estádio particular, o São Paulo recorreria a uma linha de financiamento do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) via construtora Camargo Correa, empresa escolhida para realizar as obras. Além disso, contaria com a ajuda de parceiros como a Visa, a Nestlé e a Volkswagen, que já investem no Morumbi.

A decisão do São Paulo de optar por um projeto mais barato, porém, não teria sido bem aceita pela FIFA e pelo Comitê Organizador Local, que entenderam que o clube paulista blefou propositalmente por dois anos até apresentar a sua proposta final com o intuito de deixar o COL sem saída, a não ser escolher o Morumbi para sediar a abertura, independente de o estádio estar ou não qualificado para tanto.

Os comitês estaduais têm até a próxima segunda-feira para apresentar as garantias financeiras que viabilizam as obras para a Copa do Mundo. FIFA e COL trabalham com a hipótese de o São Paulo não conseguir atender às exigências dentro do prazo, o que permitiria que o Morumbi fosse alijado da competição. Pesa ainda desfavoravelmente ao clube paulista o fato de ter apoiado a eleição de Fábio Koff no Clube dos 13, indo contra os interesses de Ricardo Teixeira. O fato exacerbou a rixa entre São Paulo e CBF.

 

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host