Topo

Renato Mauricio Prado


Vada a bordo, Lasmar!

Rodrigo Lasmar, médico da seleção brasileira, concede entrevista após treino - Pedro Martins / MoWA Press
Rodrigo Lasmar, médico da seleção brasileira, concede entrevista após treino Imagem: Pedro Martins / MoWA Press
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

19/06/2018 15h56

Acompanho profissionalmente Copas do Mundo desde a de 1978, na Argentina – foi a primeira que cobri in loco. Desde então, muita coisa mudou. Nos Mundiais e na cobertura de imprensa realizadas neles. Antigamente, assistíamos a todos os treinamentos ao lado do gramado e, quando eles terminavam, entrevistávamos quem quiséssemos. Liberdade total.

Aos poucos, porém, o espaço para o trabalho dos jornalistas foi sendo diminuído. Nos dias de hoje, além dos malfadados treinos secretos, que não permitem que se analise efetivamente o trabalho da seleção, apenas um jogador, ou membro da comissão técnica, fala por dia, sempre em coletiva. Uma “pasteurização” lamentável, que torna todos os jornais e programas de TV praticamente iguais, sem furos ou novidades.

Dentro desse quadro de seca de informações, é inadmissível que o médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar, não se apresente para falar com a imprensa, no dia em que o principal jogador do elenco, operado por ele, há cerca de três meses, deixa o campo manquitolando do pé direito (o que sofreu a cirurgia) e fazendo cara de dor.

Mandar um assessor conversar com os jornalistas e dizer que está “tudo bem” e que o atleta treinará normalmente amanhã, não é aceitável nem o bastante. Dá margem às mais diversas interpretações, inclusive a de que o tal quinto metatarso não está tão bem calcificado como deveria.

À primeira vista, é verdade, as dores parecem ser causadas mais pelas pancadas que levou contra a Suíça do que pela fratura do osso. Mas quem tem que explicar isso, tintim por tintim, é o médico que o operou e que é também o principal doutor da delegação brasileira.

Ao se esconder dos repórteres, Rodrigo Lasmar age como aquele covarde capitão do transatlântico Costa Concordia, que foi um dos primeiros abandonar o barco, após a colisão de seu navio com um rochedo na costa da Toscana, na Itália. Resta usar a famosa frase que lhe foi dita pelo chefe da capitania dos portos, revoltado com sua atitude:

“Vada a bordo, doutor Rodrigo Lasmar”!

Mais Renato Mauricio Prado