Renato Mauricio Prado

O caminho das pedras

Ryan Pierse/Getty Images
Ivan Perisic, da Croácia, comemora depois de marcar gol e empatar com a Inglaterra Imagem: Ryan Pierse/Getty Images
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

11/07/2018 18h18

Apesar do Fernandinho, do Gabriel Jesus, do Paulinho e de todo o teatro farsesco do Neymar, a seleção de Tite poderia ter chegado à final da Copa da Rússia. Me peguei pensando nisso, enquanto assistia à semifinal de hoje, entre Croácia e Inglaterra. E o raciocínio é simples: caso o Brasil tivesse terminado em segundo lugar, na fase de grupos, teria entrado no outro lado da chave, que se revelou uma autêntica Série B do Mundial. Nele, as chances brasileiras seriam muito maiores.

A Inglaterra, que após a eliminação da Espanha, me parecia a última seleção digna da “primeira divisão” do futebol mundial, daquele lado de lá, mostrou-se um blefe. Foi derrotada, com justiça, por uma Croácia exaurida por três prorrogações consecutivas (as duas anteriores, levaram a decisão aos pênaltis). Marcou um gol de falta, logo no início do jogo e só. Passou o restante da partida dando chutões pra frente. Nem o artilheiro Harry Kane justificou a fama. Uma decepção completa. Sofreu o empate e merecia até a derrota, no tempo regulamentar.

Pela primeira vez na final, a Croácia tem alguns ótimos jogadores, Modric acima de todos. Mas é inferior à maior parte das equipes que ficaram do lado contrário, a partir das oitavas de final, inclusive o Brasil - que, aliás, a derrotou por 2 a 0, no penúltimo amistoso antes da Copa, com Neymar entrando apenas no segundo tempo. Ou seja, o caminho até à decisão em Moscou teria sido mesmo bem menos tortuoso para a turma de Tite. O problema é que, de qualquer forma, haveria a França na final...

Os franceses chegam mais favoritos que nunca a este jogo decisivo. Contam com uma equipe tecnicamente bem superior à da Croácia, que ainda chegará extremamente desgastada em termos físicos, depois de disputar três prorrogações seguidas.

Favas contadas? Em futebol, nunca se pode dizer isso. Até porque a bravura dos croatas tem sido a característica mais marcante desse time que acabou se tornando a maior zebra das últimas Copas. Mas só mesmo com o coração na ponta das chuteiras, Modric, Mandzukic e cia. poderão superar o cansaço e fazer frente a Mbappé, Griezmann, Pogba e seus companheiros.

Já a Neymar, Coutinho, Thiago Silva e o resto da turma resta uma última lamentação: “Ah, se o Brasil tivesse ficado do outro lado da chave”! E já que Tite não gosta de falar em sorte, resta culpar o tal do aleatório. Ah, o tal do aleatório...

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Renato Mauricio Prado

Topo