Copa 2018

Nos acréscimos: 5 brasileiros que brilharam em jogos finais e foram à Copa

Do UOL, em São Paulo

14/03/2018 04h00

Para alguns jogadores, os amistosos do Brasil no fim deste mês contra Rússia e Alemanha podem ser decisivos para a presença na Copa do Mundo. Afinal, essa será a última reunião da seleção para treinos e jogos antes da convocação oficial para o Mundial.

Os amistosos marcarão a estreia do goleiro Neto, do meia Talisca e do atacante Willian José sob o comando de Tite. Além do trio, outras novidades na lista final foram o lateral Fagner, os zagueiros Geromel e Rodrigo Caio, o meio-campista Fred e o atacante Douglas Costa.

Embora Tite reforce que é a sequência de trabalho que vale, uma boa última pressão tem tudo para ser decisiva. E a história recente mostra que o passaporte carimbado para uma Copa pode, sim, ser carimbado aos 45min do segundo tempo na trajetória de uma seleção.

Nas últimas edições de Copa do Mundo, pelo menos cinco jogadores confirmaram presença no grupo que foi convocado graças a boas apresentações nos últimos amistosos. Veja quem são na lista abaixo:

  • Ronaldo em 1994

    O Fenômeno estreou pela seleção principal no ano da Copa dos Estados Unidos. No primeiro jogo, passou em branco contra a Argentina. Mas no amistoso contra a Islândia, o último antes da convocação final, ele se destacou: marcou seu primeiro gol com a camisa amarela e sofreu o pênalti que Zinho converteu para fazer 2 a 0. Parreira gostou e se convenceu a levá-lo mesmo tendo só 17 anos.

  • Viola em 1994

    Foi também contra a Islândia, em Florianópolis, que Viola garantiu seu lugar na Copa. Titular ao lado de Ronaldo no ataque brasileiro, o atacante, então jogador do Corinthians, vestiu a camisa 9 e fez o terceiro gol do triunfo por 3 a 0, estufando as redes aos 39min do segundo tempo. Ele foi substituído por Túlio logo na sequência, mas sua vaga estava confirmada.

  • Kleberson em 2002

    Destaque do Atlético-PR no título brasileiro de 2001, o meio-campista não disputou nenhum jogo das eliminatórias e só foi chamado por Felipão em 2002, ano do Mundial no Japão e na Coreia do Sul. E logo em sua estreia, em amistoso contra a Bolívia, Kleberson fez um gol e deu uma assistência na goleada por 6 a 0. Depois disso, foi titular também contra Arábia Saudita e Islândia e entrou no decorrer das partidas contra Iugoslávia e Portugal.

  • Rogério Ceni em 2006

    Terceiro goleiro na Copa de 2002, Rogério Ceni disputava com Marcos a vaga de reserva no Mundial seguinte. O então goleiro do São Paulo levou vantagem graças a dois fatores: os meses em que Marcos ficou afastado dos gramados por culpa de lesão e também pela boa atuação no último amistoso antes da convocação, diante da Rússia, em Moscou, no mês de março. Ele foi titular e se destacou na vitória por 1 a 0.

  • Grafite em 2010

    Grafite ganhou a vaga no amistoso contra a Irlanda, o único disputado naquele ano antes da convocação. O próprio Dunga confirmou isso. "Era a última chance de um jogador, imagina como ele se sentiria. Aí ele entra e joga como se estivesse jogando sempre". Convocado às pressas para o amistoso no lugar do lesionado Luís Fabiano, ele entrou no segundo tempo na vaga de Adriano e deu o passe para o gol de Robinho no triunfo por 2 a 0.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo