Copa 2018

Procura-se emprego: ano de Copa vira ano de provação para técnico italiano

Kai Pfaffenbach/Reuters
Ventura é apontado como responsável pelo fiasco da Itália nas eliminatórias Imagem: Kai Pfaffenbach/Reuters

Do UOL, em São Paulo

10/02/2018 04h00

Quando assumiu a seleção italiana em 2016, Giampiero Ventura sabia da dificuldade de encarar um grupo das eliminatórias da Copa do Mundo com a Espanha. Mesmo assim, ele devia imaginar que em 2018 sua preocupação seria com o elenco que levaria ao Mundial, onde seria a base na Rússia e outras questões sobre o torneio. Em vez disso, o treinador de 70 anos hoje precisa conseguir um emprego e tentar apagar a má impressão.

O currículo já está manchado: ele será lembrado como o treinador que deixou a Itália fora de uma Copa depois de 60 anos.Uma tragédia que se materializou quando a equipe sucumbiu diante da Suécia na repescagem europeia após ficar em segundo no grupo liderado pela Espanha.

“Estou voltando de uma situação que era muito maior do que eu e pela qual paguei violentamente”, resumiu Ventura neste início de ano, ao aparecer em um evento na Itália depois de meses longe dos holofotes.

Apesar de abatido, o treinador se diz pronto e disposto a mostrar serviço novamente. Segundo ele, uma campanha negativa não pode ser maior do que os 35 anos dedicados à função de treinador.

“Meu pai me ensinou a nunca desistir e três meses não podem apagar toda minha carreira. Tenho uma grande vontade de começar novamente por um simples motivo: eu preciso dar algumas respostas agora e quero dar todas elas”, disse ele ao “La Repubblica”.

Ventura, no entanto, foi questionado desde o início de sua passagem pela seleção e não só depois do fiasco nas eliminatórias. Apesar da longa experiência como técnico, ele nunca comandou um dos três maiores times do país (Juventus, Milan e Inter) e nunca conquistou um título importante.

Mesmo assim, tudo parecia sob controle até a partida contra a Espanha, faltando três rodadas para o fim da fase de grupos. As duas equipes estavam empatadas na liderança. Naquele dia, porém, a Espanha venceu facilmente por 3 a 0 e empurrou os italianos para a repescagem, na qual teve nova queda, desta vez diante da Suécia.

“Até aquele jogo estávamos em primeiro, e então tudo desmoronou. Mas o que eu fiz permanece. Agora não vou viver do passado, quero o futuro. Meu trabalho como treinador vai recomeçar”, projetou o italiano, que no meio do ano será um mero espectador da Copa do Mundo, caso tenha vontade de assisti-la.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo