Copa 2018

Ele selou última derrota do Brasil em final de Copa e hoje defende Neymar

Stu Forster/Getty Images
Petit (e) disputa bola com Leonardo na final da Copa de 1998, na França Imagem: Stu Forster/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

28/02/2018 04h00

As duas cabeçadas de Zidane que superaram Taffarel marcaram a final da Copa do Mundo de 1998, quando a França, em casa, bateu o Brasil por 3 a 0. Mas naquele dia outro francês se destacou: além de cobrar o primeiro escanteio na cabeça do camisa 10, Emmanuel Petit selou o triunfo ao receber em velocidade e tocar de esquerda para fazer o terceiro gol.

Mas embora tenha sido carrasco da seleção de Zagallo em 1998, o ex-volante já se declarou fã do futebol pentacampeão, elogiou brasileiros com quem atuou e, em meio a críticas a Neymar na França, já saiu em defesa do atacante brasileiro. Comprou briga com os torcedores locais para defender Neymar.

“Esse cara precisa do carinho do público para mostrar todo o seu talento. Se ele vê que esse sentimento frio está instalado nas arquibancadas, os fãs poderiam disparar um tiro no pé no dia seguinte. Neymar poderia pedir sua saída. E então todos nós choraremos. Se mantenham assim e choraremos”, disparou Petit em janeiro, em entrevista à rádio “RMC”.

Comprar briga na França, porém, não é novidade para Petit. Dono de personalidade forte, ele já criticou Zidane em seu livro ao apontar omissão do hoje técnico do Real Madrid em questões sociais na França. E foi além, dizendo que “Zizou” sempre foi muito preocupado apenas com as grandes marcas que o apoiam.

O ex-volante também não poupa críticas ao Barcelona e já cutucou até Guardiola, seu ex-companheiro no time catalão. “Havia muita rivalidade no vestiário, principalmente do Guardiola, capitão, com os jogadores holandeses. A maioria das discussões era por questões políticas”, disse ele ao “The Sun”.

Baladeiro assumido nos tempos de jogador e polêmico nas entrevistas, Petit também se envolveu com a seleção brasileira após aposentar as chuteiras. Como sócio da empresa de marketing esportivo Kentaro, ele ajudava a abrir portas em negociações envolvendo amistosos do Brasil pelo mundo.

Mais tarde, a Kentaro seria investigada por participação em suposta lavagem de dinheiro para compra de votos a favor do Qatar para receber a Copa do Mundo de 2022.

Petit, por outro lado, também já mostrou seu lado beneficente. Em 1998, ganhou cerca de US$ 50 mil em uma máquina de jogos de azar. Em vez de patrocinar mais alguma festa, o ex-jogador doou tudo a uma instituição de caridade.

Atualmente, Petit segue atuando como comentarista na França. E gostem dele ou não, o título de 1998 teve muito da sua participação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo