Copa 2018

Coutinho diz que aprende no Barça e vê Brasil menos dependente de Neymar

Pedro Martins/MoWa Press
Coutinho treina pela seleção brasileira em Moscou Imagem: Pedro Martins/MoWa Press

Danilo Lavieri e Dassler Marques

Do UOL, em Moscou (Rússia)

21/03/2018 12h50

Em sua primeira convocação como jogador do Barcelona, Philippe Coutinho disse que o período no novo clube tem sido de lições constantes. O meia de 25 anos disse que há diferenças em relação ao futebol inglês, mas que o que ele aporta à seleção brasileira é sobretudo a vontade. O Brasil enfrenta a Rússia na sexta-feira (23) em Moscou - na semana que vem, também pega a Alemanha em Berlim. 

"Estou me adaptando ao futebol espanhol, ao novo clube. Cheguei tem pouco tempo, e tenho na cabeça de aprender, de evoluir, sempre aprendendo a forma deles jogarem e treinarem porque realmente é diferente do que eu vinha acostumado. O que agrego na seleção é a minha vontade de vencer, de estar aqui e sempre tentando fazer o melhor", declarou Coutinho nesta segunda. 

Desta vez, contra russos e alemães, o Brasil jogará sem Neymar, mas para o meia não há tantos problemas apesar do valor do desfalque. O ponto é que, com o trabalho de Tite, a equipe tem evoluído. O substituto mais provável é Douglas Costa.

"Neymar é um jogador muito importante, um grande jogador, e claro que sentimos a falta dele. Temos que suprir de alguma forma. Crescemos coletivamente no último ano, o ponto principal da seleção é o coletivo e temos que seguir dessa maneira. Sobre tática, vai ser parecido porque alguém vai ocupar a posição dele, e quem entrar tem qualidades e chances de responder à altura", afirmou. 

Coutinho, que deve jogar em uma posição mais central, falou sobre o fato de ser talvez o jogador protagonista do amistoso em Moscou. "Essa coisa da torcida a gente esquece um pouco e não vê muito porque está focado no jogo. Acabo escutando depois do jogo se alguém falou algo, mas dentro estamos com o objetivo de uma grande partida", disse. Ele apontou sobre possíveis episódios de racismo: "é inadmissível". 

Por fim, sobre atuar na ponta direita, na esquerda ou pelo centro, Coutinho minimizou. "Quando eu tiver a oportunidade, onde for que seja, responderei à altura. Sempre respeitando a posição, o que deve fazer o jogador da posição. Sobre a posição, deixo para onde o treinador prefere e precisa", disse. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
UOL Esporte
UOL Esporte
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blogs - Mauro Beting
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte vê TV
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blog do Perrone
UOL Esporte - Futebol
Blogs - Mauro Beting
Copa do Mundo 2018
Blog de Esportes
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blogs - Mauro Beting
Copa do Mundo 2018
Blog Patadas y gambetas
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Topo