Copa 2018

Ronaldinho cita "união" e "energia" como combustíveis para o hexa

Divulgação
Ronaldinho participa de evento de lançamento da camisa da seleção Imagem: Divulgação

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

25/03/2018 14h38

Campeão do mundo em 2002, Ronaldinho Gaúcho apontou o caminho para o sucesso do Brasil na Copa do Mundo 2018. Na opinião do ex-jogador, a "união" e "energia" de jogadores e torcida é o combustível ideal para os comandados de Tite alcançarem o hexa na Rússia.

"(Precisa de) União, saber que o Brasil tá junto. Lembro quando era pequeno a gente pintando a rua, todo mundo pintando o rosto. Quando tava lá eu queria saber como tava. Essa energia chega com força", disse craque durante o lançamento do uniforme da seleção brasileira em evento realizado neste domingo (25) na Avenida Paulista, em São Paulo.

Ronaldinho também aproveitou a ocasião para relembrar a Copa de 2002, realizada no Japão e Coreia do Sul. Ele citou o jogo contra a Inglaterra, nas quartas de final da competição, como o momento decisivo para saber que o pentacampeonato viria.

Naquele jogo, inclusive, o ex-meia foi protagonista. Autor de gol e assistência, ele ainda foi expulso na segunda metade da etapa final.

"Todo mundo dizia que seria final antecipada. Saímos perdendo, viramos e aí a máquina não parou mais", relembrou. Após passar pela Inglaterra, o Brasil teve que superar Turquia e Alemanha para ficar com o título.

"Foi minha primeira Copa. Era muito novo e tive a felicidade de sair campeão. Tava com 22 anos, pra mim foi tudo muito rápido. Três anos antes eram meus ídolos. Foi a Copa que mais marcou a minha vida, por ter oportunidade de ser campeão mundial com meus ídolos", acrescentou Ronaldinho, que ainda disputou o Mundial de 2006 na Alemanha.

Divulgação
Imagem: Divulgação

Bebeto exalta trabalho de Tite na seleção

Além de Ronaldinho, o ex-atacante Bebeto também esteve presente no lançamento do novo uniforme neste domingo. Para o campeão do mundo em 1994, o trabalho de Tite na reconstrução da seleção "pós 7 a 1" é o grande trunfo para o sucesso na próxima edição.

"O Tite conseguiu resgatar a auto-estima da gente. Depois daquele 7 a 1 eu fiquei traumatizado. Mas tem que ter os pés no chão. São poucos que conquistaram o Mundial", destacou Bebeto, aproveitando também para minimizar a dependência de Neymar na equipe. O craque do PSG se recupera de lesão sofrida no fim de fevereiro.

"Ele conseguiu montar um grupo muito forte. Tem Willian, Coutinho, Paulinho... vou falar a seleção inteira. E ele tem muitas opções para mexer. Prefiro o Neymar na Copa. Talvez seja até bom não jogar agora. Ele é um cara que vai pra cima, quer o drible, quer o gol", finalizou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo