Copa 2018

De cuspidas à amizade: como a seleção uniu Sergio Ramos e Diego Costa

Juan Manuel Serrano Arce/Getty Images
Sergio Ramos e Diego Costa dizem que agora são como irmãos Imagem: Juan Manuel Serrano Arce/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

26/04/2018 04h00

Em dezembro de 2012, Diego Costa e Sergio Ramos travaram um duelo à parte durante o clássico madrilenho entre Real e Atlético. Provocaram-se o jogo inteiro, trocaram empurrões e até cuspiram um no outro. Pouco mais de um ano depois, tornaram-se grandes amigos. Como? Foram unidos pela seleção espanhola na preparação para a Copa do Mundo de 2014.

Depois do duelo de 2012, que teve ainda ameaça de mordida e cabeçada entre a dupla, o zagueiro do Real havia provocado o atacante dizendo que não o respeitava e que ele era um mau exemplo para as crianças.

As coisas só começaram a mudar no ano seguinte. Em 2013, quando a opção de Diego Costa pela Espanha se tornou oficial, foi Sergio Ramos quem fez questão de ligar para o brasileiro e dar as boas-vindas. A relação intensa entre rivais começava ali a ganhar contornos diferentes, muito mais amenos e positivos.

Diego Costa estreou pela Espanha em março de 2014, numa vitória sobre a Itália. Foi a primeira chance de conviver com Sergio Ramos, titular naquele amistoso. Poucos meses depois, em território brasileiro, a relação evoluiu, e rápido.

Durante a concentração da Espanha na Copa, Diego Costa e Sergio Ramos se aproximaram bastante. Disputaram muitos jogos de videogame, passaram a conversar com frequência e até passearam juntos de bicicleta. Deixaram para trás a rivalidade como adversários. “Somos como irmãos”, declarou o brasileiro naquele ano.

Se havia uma preocupação por parte dos espanhóis sobre como seria a relação dos dois nos período pela seleção, a velocidade com que se tornaram amigos superou qualquer expectativa.

“Ele é como eu, quer sempre ganhar. Joga duro e ajuda seu time a ser mais forte. Sempre nos enfrentávamos, nos insultávamos e depois ríamos de tudo... estávamos em um jogo de futebol e isso é normal”, argumentou Diego Costa tempos depois.

Eles, no entanto, não abrem mão de uma coisa: jogar duro um com o outro quando estão em times adversários. E como atualmente eles novamente se enfrentam defendendo os rivais Real e Atlético, essa lei vale mais do que nunca. “Se tivermos que nos pegar faremos isso, porque ambos querem ganhar. Vamos brigar e pronto. Isso está claro”, disse Diego Costa, resumindo sua relação de irmão com Sergio Ramos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Topo