Copa 2018

Ídolo local, Hugo Sánchez diz não confiar no trabalho de Osorio no México

AFP PHOTO / Kirill KUDRYAVTSEV
Técnico da seleção mexicana é alvo de críticas por parte de grande ídolo do país Imagem: AFP PHOTO / Kirill KUDRYAVTSEV

Da EFE, na Cidade do México

26/04/2018 20h55

Visto por muitos como maior jogador da história do México, o ex-atacante Hugo Sánchez falou nesta quinta-feira sobre a participação da seleção do país na Copa do Mundo deste ano, na Rússia, e declarou não ser fã do sistema de rodízio implementado pelo técnico Juan Carlos Osorio.

"Confio no talento e na qualidade dos jogadores, mas não confio na comissão técnica da seleção mexicana. Não há um estilo definido de jogo, podem ser ideias modernistas e inovadoras, mas que (Osorio) as faça com a seleção da Colômbia, não com a do México", criticou Sánchez.

O ex-atleta de 59 anos, que defendeu Atlético de Madri e Real Madrid, entre outros, e dirigiu o México de 2006 a 2008, disse ser contra a contratação de treinadores estrangeiros.

"Não estive de acordo desde a chegada da comissão técnica, não gostaria de ver Juan Carlos Osorio nem sua equipe. É um cargo tão simbólico que nós, mexicanos, devemos defendê-lo, porque temos treinadores para ocupá-lo", argumentou o ex-atacante, que citou Brasil, Argentina, Itália e Espanha como exemplos de países cujas seleções são comandadas apenas por técnicos locais.

Sánchez foi campeão do Clausura e do Apertura em 2004 à frente do Pumas, o que lhe credenciou a assumir a seleção mexicana depois da Copa do Mundo de 2006. Entretanto, o trabalho durou apenas dois anos.

"Não me protegeram como protegem os técnicos agora. Fui avaliado por uma seleção pré-olímpica, e me arrependo de ter assinado esse contrato por três seleções, a principal, a pan-americana e a pré-olímpica", recordou.

Artilheiro do Campeonato Espanhol quatro vezes, 'Hugol', como ficou conhecido, não trabalha como treinador desde 2012, quando passou pelo Pachuca, mas se candidatou a treinar o Real Madrid após a saída de Zinedine Zidane.

"O presidente Florentino Pérez sabe, estou na lista de espera. Tinha dito que, a princípio, encerraria minha carreira de técnico aos 65 anos, mas talvez possa fazer como Luis Aragonés (trabalhou até os 71) porque me sinto com a capacidade para dirigir algum time ou uma seleção, que pode ser a do México", disse.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Imagens
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blog do Rodrigo Mattos
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Futebol
Blog do Marcel Rizzo
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Topo