Copa 2018

Excluídos de Tite: Rafinha irritou ao cobrar e Arthur foi elogiado para Pep

Danilo Lavieri, Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo e no Rio de Janeiro

16/05/2018 04h00

Escolhidos os 23 jogadores de Tite para a Copa do Mundo, fica a decepção para muitos que também trabalharam por uma oportunidade e, de alguma maneira ou em algum momento, estiveram perto da seleção brasileira. A reportagem do UOL Esporte, que acompanhou todas as convocações do treinador, uniu histórias e justificativas sobre alguns desses excluídos da lista decisiva. 

Neto: Postura e treinos quase o colocaram à frente de Cássio

O bom desempenho em atividades em Berlim e Moscou em março fizeram Tite ter uma conversa direta com o goleiro, que foi perguntado de maneira franca se aceitaria ser o terceiro da posição na Copa. O diálogo se seguiu com uma concordância do treinador sobre a dificuldade desse posto, afinal as chances de atuar são ínfimas. A postura de Neto nesse papo agradou bastante, mas prevaleceu, ao fim, a confiança em Cássio. 

Vanderlei: Ele é um arrependimento de Tite

A autocrítica do treinador é que uma oportunidade, ao menos, deveria ter sido dada ao goleiro do Santos em 2017 para que ele atuasse na seleção. Outros jogadores foram testados na posição e perderam espaço, como Weverton e Muralha. Por outro lado, quando o clamor nacional pelo santista cresceu, a comissão avaliava que Cássio era o favorito e Neto deveria ser observado. Não deu tempo para Vanderlei.

Rafinha: Uma entrevista pesou negativamente

A despeito de todas as avaliações técnicas e partidas acompanhadas in loco por Tite e seus auxiliares, o lateral do Bayern de Munique gerou reações negativas na comissão por uma entrevista concedida em dezembro ao Esporte Interativo. Em uma determinada resposta, Rafinha disse que merecia a seleção e que quem o acompanhasse de perto chegaria a essa conclusão. Para as pessoas próximas ao treinador, faltou reconhecimento ao esforço do estafe na observação dos atletas. Tite optou por Fagner e Danilo.

Fabinho: A intensidade foi um fator

Jamais chamado pelo treinador, mesmo quando o Monaco alcançou a semifinal da Liga dos Campeões, Fabinho foi avaliado em algumas ocasiões e a conclusão da comissão de Tite é que ele não conseguia atuar com a mesma intensidade por 90 minutos. A possibilidade de convoca-lo como lateral foi descartada, já que ele há cerca de dois anos se fixou na França como meio-campista.

Arthur: Tite deu um recado sobre ele para Guardiola

Pedro Martins/MoWa Press
Imagem: Pedro Martins/MoWa Press

Em uma conversa com o treinador do Manchester City, que envolveu ainda Douglas Costa e outros temas, Tite foi perguntado sobre Fred, alvo da equipe inglesa. A resposta foi que se tratava de um jogador de altíssimo nível, mas entre um ou outro argumento o treinador da seleção declarou que considerava Arthur ainda melhor. Quis o destino que o Barcelona comprasse o gremista, e que Tite, para valorizar os treinamentos de Fred pela seleção em março, optasse por ele para o Mundial.

Lucas Lima: Parte mental não ajuda

Muito presente nas primeiras listas de Tite e pupilo de Neymar, Lucas Lima deixou o radar pouco a pouco de maneira quase natural pela queda de seu desempenho em clubes. A comissão avaliou que o meia tem uma parte mental que não permite regularidade por períodos mais longos. Lucas chegou a se animar porque, no Palmeiras, jogava em sistema tático similar ao da seleção, mas nem isso sensibilizou a comissão técnica – até um teste com ele pelas pontas foi estudado. 

Giuliano: Posicionamento em campo foi decisivo

A ideia de Tite era utilizá-lo como reserva de Paulinho, como chegou a fazer nas Eliminatórias, mas a transferência à Turquia gerou um efeito curioso: Giuliano se mudou ao Fenerbahce há um ano para jogar mais e se transformou em um dos melhores do time turco. Porém, sempre como meia-atacante ou ponta esquerda, algo muito diferente do que o treinador brasileiro gostaria. A disputa com Taison durou até o fim, mas foi vencida pelo ex-colega de Internacional.

Rodriguinho: Preocupação com muitos corintianos

Entre os pontos avaliados pelo treinador para definir seus 23, a consequência na opinião popular foi um ponto que recebeu atenção especial. A avaliação é que ter três corintianos geraria muitas críticas à seleção. Tite não especificou o quanto isso foi decisivo ou não para que Rodriguinho, que também concorria com Taison, voltasse a vestir a camisa brasileira no Mundial.

Luan: As chances evaporaram em Porto Alegre

Lucas Figueiredo/MoWA Press
Imagem: Lucas Figueiredo/MoWA Press

Chamado no fim de 2017, em sua melhor fase no Grêmio, frustrou Tite. Em papo com o treinador, se prontificou a jogar como ponta, mas um treinamento em Porto Alegre mostrou o contrário para Tite, decepcionado com a baixa intensidade do jogador nas ações sem bola. Luan ainda teve a chance de ir a campo contra o Equador, mas o desempenho reafirmou a impressão negativa. A conclusão é que não havia vaga no sistema tático brasileiro para o melhor jogador da última Libertadores e campeão olímpico.

Oscar: O olho não brilhou

Não se sabe exatamente o motivo, mas Oscar não mostrou, na visão de Tite, muita vontade de vestir a camisa brasileira. Foi chamado pelo treinador em sua segunda lista no comando do Brasil, mas os treinamentos mostraram uma figura apagada, que pouco depois se mudaria para a China. Durante meses, a vaga que poderia ser de Oscar passou de mão em mão até terminar em Fred e Taison.

Willian José: Introspecção foi fator decisivo

Pedro Martins/MoWa Press
Imagem: Pedro Martins/MoWa Press

Presente na última lista antes da decisiva, o centroavante de área que Tite procurava causou decepção. A avaliação é de que ele sentiu o ambiente da seleção e, em vez de se impor, permaneceu introspectivo e se intimidou em determinas situações. A comissão brasileira ainda viu jogos recentes de Willian José, entre os melhores atacantes do Espanhol, mas não mudou a decisão.

Gabigol: Cara feia no banco de reservas 

As referências herdadas por Tite da Olimpíada não foram positivas a respeito de Gabigol, o que ajudou na escolha de Gabriel Jesus como centroavante titular no primeiro jogo, contra o Equador, em agosto de 2016. Pesou, principalmente, a atitude pouco colaborativa sem a bola. Além disso, o atacante santista não aceitou bem a reserva em Quito, mudou de semblante e decepcionou o treinador.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Futebol
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Futebol
UOL Esporte - Futebol - Álbuns
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Imagens
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
André Rocha
AFP
Copa do Mundo 2018
Topo