Topo

Copa 2018


Guerrero demonstra confiança na Justiça suíça para se juntar à seleção

Juan Mabromata/AFP
Imagem: Juan Mabromata/AFP

Do UOL, em São Paulo

29/05/2018 18h07

Paolo Guerrero confia que a Justiça comum da Suíça pode liberá-lo para disputar a Copa do Mundo 2018. Em entrevista à BBC, o jogador voltou a se dizer injustiçado e agradeceu pelo apoio de todos.

Confira a tabela completa e o calendário de jogos
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
DOC: a Rússia Gay que não pode sair do armário

“Eu continuo aqui, treinando, porque estamos apelando junto ao Supremo Tribunal Federal suíço. Eu creio na Justiça suíça. Tivemos uma reunião com o senhor [Gianni] Infantino [presidente da Fifa]. Pode ser que a decisão saia muito rápido e, se Deus quiser, eu poderei me integrar à seleção para o Mundial”, disse o atacante.

“O Peru conseguiu essa classificação depois de 36 anos, e seria muito triste não poder estar e ser parte da seleção. A seleção do Peru é como uma família, e seria muito triste não ser parte dela, como capitão. Fui injustamente punido”, acrescentou.

Os capitães das seleções da França, Dinamarca e Austrália – rivais do Peru no grupo C da Copa do Mundo – assinaram uma carta enviada à Fifa na qual pediam a liberação de Guerrero para disputar o torneio.

O goleiro francês Hugo Lloris, do Tottenham, o zagueiro dinamarquês Simon Kjaer, do Fenerbahce, e o volante australiano Mile Jedinak, do Aston Villa, sugerem à entidade que a pena de Guerrero seja cumprida apenas após a Copa do Mundo.

“Estou muito agradecido aos capitães da França, Dinamarca e Austrália por apoiarem esta causa. Isso pode acontecer a qualquer jogador. O apoio incondicional que estão me dando no Peru também é incrível”, exaltou o atacante.

“Não tenho por que ingerir um mate de coca porque não me melhoraria o desempenho. Ainda mais com a oportunidade que tínhamos, faltando duas partidas para classificar ao Mundial. Eu não teria por que ingerir uma substância proibida que poderia prejudicar minha carreira”, concluiu Guerrero na entrevista.

Mais Copa 2018