Copa 2018

Tite vê queda de R. Augusto e fala em Marquinhos reserva: "dói o coração"

Pedro Martins/MoWa Press
Tite sorri durante entrevista coletiva da seleção brasileira em Liverpool Imagem: Pedro Martins/MoWa Press

Danilo Lavieri e Dassler Marques

Do UOL, em Liverpool

02/06/2018 14h25

A saída de Renato Augusto da equipe e a opção por Thiago Silva e não Marquinhos foram assuntos importantes na entrevista coletiva de Tite, neste sábado, em Liverpool. Na véspera do amistoso com a Croácia, o treinador disse que a troca na zaga "dói o coração" e contou sobre sua conversa com Renato Augusto. 

Confira a tabela completa e o calendário de jogos
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
DOC: a Rússia Gay que não pode sair do armário

"Eles competem. E depois é o treinador que tem que definir quem vai jogar. O Renato baixou por alguns aspectos: China, nível de treinamento, alguns problemas de pancada...e ele vem recuperando e caiu [dores no joelho]. O Fernandinho está em alto nível, entrou bem. É só avião. 'Renato...vem cá: qual é o primeiro objetivo nosso? Retomar o padrão Renato. E isso os treinamentos vão te dar. E ele concordou. E ele me dá informações. No final do ano, ele não teve férias. Para que tivesse uma melhor condição e está no ritmo e retomando melhor. A expectativa é que ele volte melhor. Não posso expor essa evolução em um amistoso", contou Tite. 

Já sobre Fernandinho, que assume a vaga no meio-campo, o treinador explicou: "ele te remete a uma característica que já era do Atlético-PR, do Shakhtar, mas que tem o DNA do passador, do articulador. Ele dá um poder de marcação, sim, para uma liberdade para o Marcelo e para o atacante de lado esquerdo", comentou ainda o treinador. 

"Muito difícil (escolher o Thiago Silva). Se a gente pegar a minutagem, o Miranda tem 1200 minutos, o Marquinhos quase 1100, o Thiago 700 e poucos. No último momento, veio o Thiago. Todos os três estão em ótimo nível, e o Marquinhos tinha sentido, não tinha a performance normal. Entrou o Thiago e jogou muito. Às vezes dói o coração. E essa foi uma decisão muito, muito difícil. Qualquer um dos três seria justo. O Miranda deu sequência, não abriu brecha. São decisões que precisaria preterir o outro. Marquinhos sabe o respeito pessoal e profissional que eu tenho por ele". 

Confira mais respostas da entrevista coletiva de Tite:

Firmino atrás de espaço

Há uma competição e o Gabriel está arrebentando. E ele está botando pressão. No 5 a 2 contra a Roma ,eu assisti ao jogo aqui. Primeira vez que eu assisti ao jogo todo tempo de pé. E só me sentei no intervalo. Ele tem virtudes, qualidades e por isso é convocado. A qualquer momento ele pode entrar. Menos pelo lado. Porque ele é melhor como central. 

Bola parada decisiva

A gente fez bola parada de um lado e do outro (reservas) porque é posicional. Todas têm sido decisivas. Todas as bolas paradas são decisivas. O 1 a 0, 2 a 1 ou 1 a 1, vai ser gol de bola parada. A nossa comissão fez esse estudo. Depois isso, os emocionais afloram. As pressões afloram. E você sair na frente... posse de bola tem que estar associada à conclusão, chute a gol e tem que ser medida até sair o primeiro gol. E aí ela é considerada.

Filho auxiliar na comissão técnica

Ele sabe que desde o início ele vai carregar o peso de ser o filho do Tite. Mas ele não é o filho. Ele é o Matheus. Ele ficou quatro anos estudando, garimpou, teve técnicos que proporcionaram para ter estágios. Ele foi à luta para estar e merece estar onde está. Não foi guinado. Ele me dá uma sustentação como ser humano também. E me orgulha para caramba. Mas sabendo que eu vou ser cobrado em cima disso.

Daniel Alves seria o capitão

O Dani era o capitão. E fica aqui uma mensagem para ele: por essa experiência, know how, é importante. Vai continuar o rodízio. Mas também atletas que tenham mais experiência. Que estejam calejados com esse nível e vão ser os mais utilizados.

Treinamentos muito intensos

Eu não fui um jogador de alto nível, mas eu pensava. 'Eu vou fazer o meu melhor e vou dentro'. Todos os treinamentos são para buscar uma titularidade ou evoluir. E precisa ser assim. Ah, corre o risco de machucar? Corre! O risco de se machucar corre mais em se poupar do que com os movimentos naturais e competitivos. E isso é padrão de excelência.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo