Copa 2018

Quem pagaria juro de 50% para ver o Messi? Os argentinos, claro

Agustin Marcarian/Reuters
Lionel Messi está se preparando para a Copa com a seleção argentina Imagem: Agustin Marcarian/Reuters

Charlie Devereux e Pablo Gonzalez

Da Bloomberg, em Buenos Aires (ARG)

06/06/2018 16h43

Os argentinos são tão loucos por futebol que um banco está apostando que eles pagarão juro de 50 por cento ao ano para financiar suas viagens para a Copa do Mundo, na Rússia, neste mês.

Confira a tabela completa e o calendário de jogos
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
DOC: a Rússia Gay que não pode sair do armário

O BBVA Banco Francés, a unidade local do banco espanhol, vem transmitindo comerciais de televisão para incentivar os argentinos a torcerem por Lionel Messi e seus colegas de seleção tomando um empréstimo de sete anos. O banco está oferecendo até 1 milhão de pesos (US$ 40.000) a serem pagos em 84 parcelas, com o incentivo adicional de que quem efetuar todos os pagamentos não arcará com impostos e comissões no último ano.

Pagar um juro real de 50 por cento ao ano por um empréstimo pode parecer uma insanidade até mesmo para o torcedor mais fanático, mas considerando a inflação de mais de 25 por cento na Argentina e o fato de o banco central ter elevado o juro básico a 40 por cento no mês passado, a oferta do BBVA não parece tão onerosa assim. A inflação elevada serve de incentivo para tomar empréstimos e pagar depois, quando o dinheiro se torna mais barato. A carteira de empréstimos pessoais do BBVA Francés cresceu 80,5 por cento no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado porque os argentinos correram para fazer financiamentos imobiliários e tomar empréstimos pessoais.

"Esse tipo de taxa de juros pode parecer uma loucura para alguém de fora da Argentina, mas os argentinos se tornaram especialistas no jogo da inflação e em rolagem de dívida", disse Juan Alonso, analista que cobre o BBVA para a TPCG Valores em Buenos Aires. "O argentino não olha o juro, apenas pergunta quanto é a parcela mensal. Se ele tiver a chance de pagar uma viagem para a Copa do Mundo ao longo de sete anos, ele aproveitará."

Um representante do BBVA Francés em Buenos Aires preferiu não comentar sobre o juro cobrado pelo banco ou o número de clientes que utilizam os empréstimos para viajar.

Seleção argentina

REUTERS/Marcos Brindicci
Messi cobrando pênalti em frente a torcida em amistoso entre Argentina e Haiti na Bombonera Imagem: REUTERS/Marcos Brindicci

O BBVA Francés fez 8.500 empréstimos do tipo, emprestando um total próximo de 1,2 bilhão de pesos desde o lançamento do produto, em agosto. As condições originais do empréstimo ofereciam uma taxa de juro nominal de 32 por cento, que, acrescida de impostos e comissões, resultava em uma taxa de juros real de 46,38 por cento. O banco elevou a taxa para 34 por cento em março, elevando o custo financeiro para o cliente a 49,85 por cento.

A Albiceleste, como a seleção é conhecida, está entre as favoritas para levantar o troféu neste ano e sempre contou com uma torcida apaixonada. Este ano não é exceção. Os argentinos compraram 52.999 ingressos dos mais de 2 milhões vendidos até o momento e estão no top 10, atrás de países como EUA e Rússia, segundo a Fifa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo