Topo

Irã

  • Athletico CAP
  • Atlético-MG AMG
  • Avaí AVA
  • Bahia BAH
  • Botafogo BOT
  • Ceará CEA
  • Corinthians COR
  • Coritiba CBA
  • Chapecoense CHA
  • Cruzeiro CRU
  • CSA CSA
  • Flamengo FLA
  • Fluminense FLU
  • Fortaleza FOR
  • Goiás GOI
  • Grêmio GRE
  • Internacional INT
  • Palmeiras PAL
  • Santos SAN
  • São Paulo SAO
  • Sport SPO
  • Vasco VAS

Seleção iraniana capricha no visual, e jogadores são comparados a modelos

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo

2018-06-14T04:00:00

14/06/2018 04h00

Se a primeira impressão é a que fica, a seleção iraniana já tem a simpatia da torcida nesta Copa do Mundo. O fardamento oficial da equipe dá aos jogadores um estilo impecável a poucos dias da estreia. Tanto que eles já são comparados a modelos.

Brasil estreia às 15h deste domingo; veja a tabela
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
Neymar S/A: a engrenagem por trás do camisa 10

“Dá uma olhada no time do Irã para a Copa! Parecem mais modelos do que jogadores”, escreveu um torcedor nas redes sociais. Outro aprovou ainda mais o traje social. “Equipe muito elegante, os fãs vão desmaiar”, afirmou.

A roupa chamou a atenção na chegada do Irã à Rússia, na última semana, e desde então tem sido bastante elogiada à medida que os jogadores publicam imagens nas redes sociais. Pouco depois, no entanto, uma polêmica envolvendo as chuteiras fornecidas pela Nike ofuscou o estilo dos atletas.

Nem tudo em torno dos paletós é festa, no entanto. A atriz iraniana Nazanin Boniadi aproveitou a discussão em torno da roupa para lembrar a luta feminina no país persa. “Enquanto apoiamos a seleção iraniana na Copa do Mundo, não esqueçamos que as mulheres no Irã ainda estão banidas dos estádios e não podem torcer por sua seleção nacional”, escreveu.

País de costumes estritos, o Irã proíbe a presença de mulheres em estádios. Ainda que o futebol seja o esporte mais popular do país, ele está restrito aos homens por força de lei – o argumento oficial é a “preocupação com a segurança das mulheres”. No início deste ano, 35 mulheres foram presas ao tentar assistir a uma partida do futebol local. Em caso parecido, uma iraniana teve que cumprir cinco meses de prisão após tentar entrar em um ginásio de vôlei em 2014.

Guarda-roupa e proibições à parte, a Copa do Mundo é um desafio e tanto para a seleção iraniana, que caiu no mesmo grupo de Espanha e Portugal e, ao lado de Marrocos, encarna o papel de zebra. A estreia é contra os marroquinos, às 12 horas (de Brasília) desta sexta-feira (15).

Mais Irã