Tunísia

Primeira africana a vencer em Copas, Tunísia sonha com segunda vitória

Albert Gea/Reuters
Treino da seleção da Tunísia para a Copa do Mundo de 2018 Imagem: Albert Gea/Reuters

Do UOL, em São Paulo

17/06/2018 21h00

Era dia 2 de junho de 1978. A seleção de um país independente há apenas 22 anos entrou em campo em Rosário, na Argentina, para seu primeiro jogo de Copa do Mundo. Depois de 90 minutos, a equipe deixou o gramado com um resultado histórico: ao vencer o México por 3 a 1, a Tunísia tornou-se a primeira seleção africana a vencer uma partida na mais importante competição do futebol. Quarenta anos depois, os tunisianos se inspiram naquela equipe para, em seu quinto Mundial, tentar sua segunda vitória.

Copa de 2018 já tem mais pênaltis perdidos do que edição de 2014
Imprensa internacional culpa Messi por empate da Argentina na estreia
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial

Ausente da competição desde 2006, a Tunísia persegue uma segunda vitória há 40 anos. Depois de derrotar o México, a Tunísia perdeu para a Polônia por 1 a 0 e encerrou sua campanha de forma digna ao empatar com a Alemanha Ocidental, que defendia o título, por 0 a 0. Uma campanha surpreendente de um país que demoraria duas décadas para se classificar novamente. A Copa do Mundo só voltou a ver a Tunísia em 1998.

BECHIR MANNOUBI/AFP
A seleção da Tunísia antes do histórico jogo contra o México Imagem: BECHIR MANNOUBI/AFP

A seleção do norte da África passou três edições seguidas, de 1998 a 2006, tentando repetir a vitória de sua estreia. Nas três oportunidades caiu na primeira fase com um empate e duas derrotas. "Todas as pessoas na Tunísia, crianças e idosos, conhecem a história daquela epopeia de 1978", diz o jornalista Walid Nalouti. "Mesmo quem não tinha nascido naquela época sabe falar sobre o time que disputou aquele Mundial", afirma. Uma história que começou sofrendo gol de pênalti do México aos 45 minutos do primeiro tempo. E que transformou-se em virada com gols aos 10, 32 e 45 da etapa final.

"Temos jogadores muito bons, que trabalham duro e merecem um grande resultado na competição", diz o técnico Nabil Maaloul. Em uma chave com duas favoritas destacadas, Bélgica e Inglaterra, a adversária desta segunda-feira, 15h, a melhor chance dos tunisianos está na partida contra o Panamá, dia 28. A seleção da América Central está na mesma situação em que a Tunísia esteve 40 anos atrás, de disputar sua primeira Copa. Mas que também tem suas ambições. "Não viemos à Copa para trocar camisas", disse o meia panamenho Valentín Pimentel.

Mais do que vencer pela segunda vez em Copas, a primeira desde 1978, é demais para a Tunísia, que ainda está muito longe da Inglaterra, campeã de 1966, e de uma seleção, a Bélgica, que chega credenciada pela geração que é provavelmente a mais talentosa que o país já teve e busca repetir o feito de 1986, quando alcançou as semifinais. "Estamos prontos para desempenhar nosso melhor papel", diz Maaloul. Veremos a partir desta segunda-feira.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Tunísia

Topo