Brasil

Tite fala em falta clara em Miranda, mas diz que Brasil não devia reclamar

Danilo Lavieri, Dassler Marques, João Henrique Marques, Pedro Ivo Almeida e Ricardo Perrone

Do UOL, em Rostov-on-Don (Rússia)

17/06/2018 17h55

O gol de empate da Suíça foi um dos motivos de reclamação da seleção brasileira em relação à arbitragem. No entanto, Tite disse que sua equipe não deveria reclamar da falta não marcada sobre Miranda.

Clique aqui para ver os gols de Brasil 1 x 1 Suíça

- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual
- O hexa vem dessa vez? O que os videntes preveem para o Brasil no Mundial?
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil

“Gostaria de estar respondendo outra pergunta, que seja sobre performance. Mas não vou fugir. Absolutamente não, não tem que pressionar a arbitragem. Tem todo um processo, uma sistemática, tem pessoas que avaliam. Não posso trazer uma equipe desequilibrada, que fica pensando na arbitragem”, comentou o técnico em coletiva à imprensa.

Embora não tenha certeza sobre o suposto pênalti em Gabriel Jesus no segundo tempo, que também motivou reclamações dos jogadores, o comandante brasileiro afirmou ter visto falta de Zuber sobre Miranda no lance do empate.

“O lance do Miranda é muito claro, muito limpo. Não estou aqui justificando o resultado. É muito claro, não é pouco, é muito. Quanto ao segundo lance do pênalti, vamos colocar que é passível de interpretação. O primeiro, não”, avaliou.

"Aceito falar de todos os outros [gols], desse de hoje, não. Foi algo muito claro, não posso falar de algo assim. Se o cara pega e empurra meu jogador, não é posicionamento, é falta", cravou.

Tite deu a entender que não se preocupa com a fragilidade brasileira em bolas paradas. "Tomamos seis gols em 22 jogos. A bola parada na Copa do Mundo beirou 45% dos gols. Desse gol eu não aceito a observação em função de posicionamento", disse o técnico.

Ao decorrer da entrevista coletiva, Tite revelou uma conversa que teve com Miranda após a partida. De acordo com o treinador, o zagueiro cogitou que teria sido melhor ter se jogado após o empurrão para caracterizar uma falta.

“Eu quero fazer uma observação que fiz com Miranda. Ele disse: ‘quando ele me empurrou, eu devesse cair no chão para caracterizar’. E eu falei: ‘não. Absolutamente não, porque vai caracterizar simulação. Tem que matar no peito e não quero que simule. Vai a responsabilidade. Não cai, não. Não faz isso”.

Nervosismo da estreia

Tite admitiu que a seleção brasileira sofreu momentos de oscilação durante a partida. Para o treinador, a ansiedade por ser uma estreia de Copa do Mundo pode ter sido um dos motivos.

“Durante o jogo, a Suíça conseguiu ser melhor a partir do gol. Depois equilibramos de novo. E mantivemos um nível de Brasil, mas a ansiedade bateu forte. Apressamos demais o jogo. Quando apressa demais, o último movimento [finalização] fica impreciso. Foram 20 chutes, mas muitos para fora. Poderíamos ter feito o goleiro trabalhar mais pelo número de finalizações que a equipe teve”, afirmou.

Em sua primeira Copa do Mundo, Tite afirmou que a ansiedade também o afetou. Para ele, o problema foi refletido na quantidade de finalizações erradas cometidas pela seleção brasileira na partida.

“Talvez a falta de precisão de finalização tenha sido pela marcação. Mas algumas situações foram limpas e faltou precisão. Um pouco de ansiedade, primeiro jogo, vontade de vencer. No técnico também bateu isso. E essa pressão associada às duas coisas. Nós queremos jogar, queremos jogo. E a orientação é bater rápido a falta. Vamos continuar assim. Vamos tomar a falta e sair para o jogo. O Brasil propõe o jogo”.

Confira as demais declarações de Tite na entrevista coletiva:

Postura após o gol

É o foco que nós temos em performance. Registrado como foi, já está respondida a pergunta anterior. Neste momento você tem que absorver o momento de tomar um gol, manter um pouco mais de posse de bola. Às vezes fazer uma cadência, trabalhar mais a bola, fazer o adversário correr... Ela vai e tem condições de produzir mais, é uma equipe equilibrada.

Depois dos 10 minutos e do gol, ela sentiu. Emocionalmente, ela sentiu. Se acontecer como aconteceu o cabeceio do Neymar e o goleiro pegar, que o faça, faça o goleiro trabalhar. As finalizações precisam ser mais precisas, mais gelo, mais frio, contundente.

Claro que minha expectativa era de vitória. Claro que não estou contente com o resultado.

Declaração de que precisava de cinco pontos para avançar

Dei um dado estatístico, fiz ver, municiei. E coloquei que iríamos buscar a vitória. Mas que teria uma característica essa competição. Citei como um fato estatístico de como seriam as Copas.

Substituições

Casemiro levou o cartão. Não substituo só por isso. Mas dois ou três movimentos em seguida foram perigosos. E tenho um jogador de alto nível no banco como o Fernandinho. Renato é articulador, pensador, e Paulinho não estava em seu melhor dia. E do Firmino, que está muito bem, apesar da movimentação do Gabriel. Firmino está em momento de alta confiança. Os três entraram bem na minha opinião.

Contente com o desempenho?

[Com] dois terços do jogo eu fiquei contente. Até fazer o gol, [teve] agressividade, com inversão, jogadas criativas. Inversão do direito para o esquerdo. E ela foi a classificação do time. E depois não conseguimos fazer isso. Tomou gol de bola parada. E esses dez minutos pós-gol. Tem 90 minutos para buscar o resultado. Ele te traz a condição. Esses aprendizados todos a gente leva para o jogo seguinte.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Brasil

Topo