Copa 2018

Kane marca duas vezes e Inglaterra consegue vitória sobre a Tunísia no fim

Julio Gomes

Colaboração para o UOL, em Volgogrado (Rússia)

18/06/2018 16h53

Mais uma vez, a arbitragem esteve no centro das atenções da Copa do Mundo 2018. A Inglaterra levou um susto, mas venceu a Tunísia por 2 a 1 com dois gols de Harry Kane nesta segunda-feira (18), em Volgogrado, em confronto com reclamação de dois pênaltis não marcados a favor dos ingleses.

Veja os gols de Tunísia 1 x 2 Inglaterra

Apesar da reclamação dos ingleses, que pediram para o árbitro Wilmar Roldán consultar as imagens para rever os lances, a partida seguiu normalmente após as polêmicas. Não se sabe se o árbitro de vídeo Sandro Meira Ricci chegou a alertar Róldan sobre as possíveis penalidades e foi ignorado, ou se o brasileiro concordou com as decisões do árbitro de campo. No entanto, um pênalti a favor da Tunísia foi apitado sem que fosse necessário o apoio do VAR.

O melhor: Kane

Dan Mullan/Getty Images
Imagem: Dan Mullan/Getty Images

Harry Kane demorou a fazer jus ao apelido de “Hurricane” (“furacão”), mas não falhou quando o time precisou de seu poder de decisão. Bem posicionado na hora certa, o atacante do Tottenham pegou o rebote no cabeceio de Stones, após a bela defesa do goleiro Hassen, e abriu o placar aos 11 do primeiro tempo. Com comemoração digna de herói, tocou de cabeça e selou a vitória aos 46 do segundo.

O pior: Walker

Matthias Hangst/Getty Images
Imagem: Matthias Hangst/Getty Images

Atuando como zagueiro na linha de três de Southgate, o lateral do City complicou a Inglaterra. Nem mesmo o fato de jogar fora de sua posição de origem justifica a cotovelada que deu em F. Ben Youssef aos 33 do primeiro tempo, em pênalti bem marcado pelo árbitro, bem convertido por Sassi e quase defendido por Pickford, que chegou a encostar na bola.

Alex Morton/Getty Images
Imagem: Alex Morton/Getty Images

Árbitro de vídeo não apareceu

A seleção inglesa pediu e insistiu para que o árbitro de vídeo fosse acionado aos 40 do primeiro tempo, quando Kane foi agarrado e derrubado por Sassi dentro da área. Comandado pelo brasileiro Sandro Meira Ricci, o suporte do VAR não foi acionado pelo árbitro colombiano Wilmar Roldan. Foi possível ver Roldan conversando ao microfone após o lance, Não se sabe se o brasileiro concordou com a decisão do colega sul-americano ou chegou a alertá-lo, mas o árbitro principal da partida preferiu manter a decisão de campo

Não terminaram aí os motivos de reclamação para a Inglaterra, já que S. Ben Youssef aplicou um golpe parecido sobre o zagueiro Maguire. Mais uma vez, nada foi marcado.

O choro do goleiro tunisiano

Clive Rose/Getty Images
Imagem: Clive Rose/Getty Images

Ao saltar para defender o cabeceio de Stones no lance do gol da Inglaterra, antes de Kane pegar o rebote, Hassen caiu com o ombro esquerdo no gramado. Foi justamente este ombro que ele sentiu dois minutos depois, quando desabou e teve de ser substituído. O goleiro de 23 anos deixou o campo chorando e foi abraçado pelo técnico Nabil Maaloul.

Houve quem dissesse nas redes sociais que Hassen teve os melhores primeiros minutos de um goleiro na Copa de 2018. Mas seu substituto, Ben Mustapha, não deixou a desejar. Mais velho, o atleta manteve a segurança do titular sob a meta tunisiana, para a frustração dos ingleses que tentaram testá-lo com chutes de longa distância, como Henderson.

Inglaterra é veloz, mas erra passes

Ueslei Marcelino/Reuters
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

A agilidade de Dele Alli, Lingard e Sterling comandou as descidas para o campo de ataque, mas, por vezes, a vontade do English Team de acelerar demais as jogadas rendeu contra-ataques perigosos para a Tunísia.

52 anos sem títulos

Desde que venceu a Copa do Mundo de 1966, disputada na própria Inglaterra, o English Team ainda não conquistou um único troféu. De nada, nadinha. Os melhores resultados de lá para cá foram as semifinais do Mundial de 1990 e da Eurocopa de 1996, ambas com derrota para a Alemanha.

As tentativas com estrelas como David Beckham, Frank Lampard, Steven Gerrard e Wayne Rooney fracassaram. Para 2018, a aposta da Inglaterra é na juventude de Harry Kane, Sterling e Dele Alli. Dentre os atletas que estiveram em campo nesta segunda-feira, apenas três já haviam disputado uma Copa do Mundo antes desta edição.

Time versátil

A equipe reunida por Southgate é bastante versátil. Walker, lateral do Manchester City, atuou como zagueiro em uma linha com três. Ashley Young, do Manchester United, é capaz de jogar defensivamente na lateral ou na ponta esquerda, função que desempenhou nesta tarde. Se o técnico precisar, Marcus Rashford pode ser substituto tanto para Sterling (o que de fato ocorreu), quanto para Harry Kane, mesmo com funções diferentes.

Mosquitos protagonistas

Clive Rose/Getty Images
Imagem: Clive Rose/Getty Images

O estádio em Volgogrado fica bem às margens do rio Volga, local onde os mosquitos crescem, deixam a água em massa e voam pela cidade para acasalar. Os jogadores da Inglaterra passaram repelentes antes do jogo, mas foi possível ver vários deles lutando contra os insetos e tentando matá-los na mão.

Cadê a segunda vitória?

Esta é a pergunta que a Tunísia se faz desde 1978, quando bateu o México por 3 a 1 e venceu uma partida de Copa pela primeira e última vez na história. De lá para cá, teve sete derrotas (uma para a própria Inglaterra em 1998) e quatro empates. O Mundial de 2018 é o quinto que disputa.

Tensão inglesa na Rússia

A crise diplomática entre Inglaterra e Rússia complicou a vida dos torcedores britânicos na Copa de 2018. As relações entre Londres e Moscou pioraram nos últimos meses, depois de o ex-espião russo Serguei Skripal (que atuava como agente duplo para os serviços de inteligência da Grã-Bretanha) e sua filha serem envenenados em Salisbury em março.

Os britânicos acusam os russos de terem causado o envenenamento e expulsaram 23 diplomatas russos. A tensão é tanta que, nesta segunda, dois torcedores ingleses foram retirados de um trem quando viajavam para Volgogrado, palco do confronto com a Tunísia. A torcida russa pareceu apoiar os tunisianos durante todo o jogo e se animou com o gol de empate, mas a vitória da Inglaterra foi um balde de água fria.

Quando, em um momento do segundo tempo, a pequena torcida inglesa tentou empurrar o time, boa parte do estádio passou a gritar 'Rússia, Rússia, Rússia' por cima. Na lista de países compradores de ingressos para o Mundial, os ingleses aparecem na 11ª posição, atrás, por exemplo, de chineses, que nem têm a própria seleção na Copa.

FICHA TÉCNICA
TUNÍSIA 1 X 2 INGLATERRA

Data e hora: 18 de junho de 2018, às 15h (de Brasília)
Local: Arena Volgogrado (Rússia)
Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)
Auxiliares: Alexander Guzman e Cristian de la Cruz (ambos da Colômbia)
Cartões amarelos: Walker (Inglaterra)
Gols: Sassi, aos 35 minutos do primeiro tempo (Tunísia); Harry Kane, aos 11 do primeiro tempo e aos 46 do segundo (Inglaterra)

TUNÍSIA: Hassen (Ben Mustapha); Meriah, S. Ben Youssef, Bronn e Maaloul; Skhiri, Badri e Sassi; F. Ben Youssef, Khazri (Saber Khalifa) e Sliti (Ben Amor)
Técnico: Nabil Maaloul

INGLATERRA: Pickford; Walker, Stones e Maguire; Henderson, Trippier, Dele Alli (Loftus-Cheek), Lingard e Young; Sterling (Rashford) e Harry Kane
Técnico: Gareth Southgate

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo