Brasil

Carta da CBF atinge meta: sobe pressão em juízes e gera apoio da Conmebol

Themba Hadebe/AP Photo
Observado por jogadores do Brasil, Stephan Lichsteiner conversa com o árbitro Cesar Arturo Ramos Imagem: Themba Hadebe/AP Photo

Rodrigo Mattos

Do UOL, em Moscou

19/06/2018 11h49

A carta da CBF questionando o árbitro de vídeo atingiu seus objetivos: aumentou a pressão sobre árbitros e obteve eco na cúpula da Fifa. A Conmebol, por exemplo, entendeu como correta a manifestação da confederação por contrabalancear o poder europeu na arbitragem, inclusive com um diretor da UEFA (entidade europeia) no topo. Ainda não há uma resposta oficial do setor de arbitragem da federação internacional aos brasileiros.

Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

A manifestação da confederação para a Fifa foi feita na segunda-feira sobre os supostos erros de arbitragem na partida da seleção contra a Suíça. Há reclamação sobre uma falta em Miranda no gol suíço e um pênalti em Gabriel Jesus. Em sua carta, a CBF pede áudios e vídeos do VAR para verificar.

É incerto que esse pedido vá ser atendido. As conversas gravadas e arquivadas, teoricamente, são só para uso interno e isso abriria um precedente para todos. Independentemente disso, dirigentes da CBF entendem ter conseguido botar pressão sobre os árbitros. A intenção é evitar futuros erros.

A Conmebol viu como positiva a manifestação da CBF. Explica-se: a diretoria da confederação sul-americana percebe com preocupação a predominância da Europa no comando da arbitragem da Copa. Ou seja, apoiou o movimento apesar de ter tido problemas de relacionamento com o presidente da CBF, Coronel Nunes, por quebrar acordo político em eleição da sede da Copa-2026

Há um questionamento da Conmebol pelo fato de o presidente da comissão de árbitro ser Pierluigi Colina, que também é chefe de arbitragem da UEFA. Há na opinião de dirigentes sul-americanos um conflito de interesses, afinal, uma confederação tem seu chefe no controle da arbitragem da Copa, enquanto as outras, não. O chefe de árbitros também é europeu, o suíço Massimo Bussaca.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, deixou nas mãos do departamento de arbitragem a resposta à CBF. Só que a pressão vem de cima, isto é, de dirigentes do Conselho da Fifa sobre a arbitragem. Estão acima do setor de árbitros que entra em clima de tensão.

A avaliação do departamento de arbitragem da Fifa é de que não houve erro de Cesar Ramos. Houve consulta silenciosa ao árbitro de vídeo que não apontou problema. Dentro deste contexto, a CBF cobra transparência nos procedimentos, o que obrigará o setor de árbitros a explicar de alguma forma suas decisões - ainda que seja improvável a cessão de áudios e vídeos. Obviamente, isso criará atenção extra nos próximos jogos brasileiros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Brasil

Topo