Copa 2018

Japão aproveita expulsão no início e surpreende a Colômbia em estreia

Do UOL, em São Paulo (SP)

19/06/2018 10h52

Uma expulsão logo aos 3 min mudou totalmente as estreias de Japão e Colômbia na Copa do Mundo da Rússia. Melhor para os japoneses, que aproveitaram o cartão vermelho ao meio-campista Carlos Sánchez, cresceram no segundo tempo e debutaram com vitória no Mundial de 2018: 2 a 1, em partida realizada nesta terça-feira (19), na Arena Mordovia, em Saransk.

- Assista aos gols de Colômbia 1 x 2 Japão
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
- Simule os classificados e o mata-mata do Mundial

O segundo cartão vermelho mais rápido da história das Copas do Mundo – o primeiro foi do uruguaio José Batista, em 1986 – mudou todo o planejamento colombiano. Pekerman poupou o principal astro do time, James Rodríguez, do início da partida, mas se viu rapidamente em desvantagem e precisou recorrer ao jogador do Bayern de Munique, mas sem sucesso.

Kagawa converteu o pênalti cometido por Sánchez e fez 1 a 0 com apenas 6 min de duelo. A Colômbia, mesmo com 10, ainda ensaiou se impor e chegou ao empate aos 38 min, em belo gol de falta de Quintero. O cansaço por jogar quase toda a partida com um a menos, porém, pesou contra os sul-americanos. 

Na segunda etapa, o Japão fez valer a vantagem numérica e dominou a equipe colombiana, que recorreu muito a jogadas individuais de James e aos lançamentos esticados para Falcao Garcia. O prêmio pelo rendimento superior dos asiáticos na parte decisiva da partida veio aos 28 min, com Osako assegurando os três pontos.

A derrota põe pressão na Colômbia, que foi uma das surpresas da Copa do Mundo do Brasil há quatro anos. A equipe de James Rodríguez e Falcao Garcia agora precisa vencer a Polônia no próximo dia 24, às 15h (de Brasília), para seguir com boas chances de classificação. O Japão, que larga bem na Rússia, duela com Senegal na mesma data, mas às 12h.

Quem foi bem: Osako

O Japão demorou a assumir o controle da partida, mesmo com a vantagem numérica ocasionada com a expulsão de Carlos Sánchez. Quando se impôs, a partir da metade do segundo tempo, o atacante Osako se mostrou uma peça importante - e decisiva. Foi dele a cabeçada certeira responsável por dar a primeira vitória do Japão em Copas do Mundo desde 2010.

Quem foi mal: Carlos Sánchez

REUTERS/Jason Cairnduff
Carlos Sánchez acabou expulso ainda no início do jogo, e Colômbia sentiu jogar com apenas 10 Imagem: REUTERS/Jason Cairnduff

Titular absoluto e um dos homens de confiança do treinador, Carlos Sánchez prejudicou demais o andamento da partida para a Colômbia. Em um ato provavelmente instintivo, o jogador do Espanyol colocou a mão na bola para evitar o gol de Kagawa. Com apenas 3 min, o Japão tinha um jogador a mais e a chance de cobrar um pênalti, convertido justamente por Kagawa.

James só entra no 2º tempo

Ricardo Moraes/Reuters
James Rodríguez, com dores, começou no banco de reservas; meia entrou aos 14min do 2º tempo Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

O principal astro colombiano assistiu a boa parte do jogo do banco de reservas. Com dores musculares, o camisa 10 acabou poupado de treinamentos durante a semana e ficou apenas como opção. As circunstâncias do jogo, no entanto, obrigaram uma mudança de planos: o meia entrou antes dos 15 min da etapa final e teve no pé esquerdo a melhor chance de empatar o jogo: aos 32 min, o artilheiro do Mundial de 2014 acabou travado pela zaga rival, já dentro da área. 

Expulsão no início muda jogo da Colômbia

Todo o plano traçado por José Pekerman, que poupou nomes como James Rodríguez, Barrios e Bacca, terminou com apenas três minutos de partida. Em contra-ataque veloz, a bola sobrou para Kagawa na entrada da área. O camisa 10 chutou e viu a bola desviar no braço de Carlos Sánchez. A arbitragem não teve dúvida em assinalar o pênalti e expulsar o volante colombiano. Na cobrança, Kagawa abriu o placar. 

À la Ronaldinho

Damir Sagolj/Reuters
Goleiro japonês se esticou todo, mas não conseguiu evitar a cobrança à la Ronaldinho de Quintero Imagem: Damir Sagolj/Reuters

Mesmo com um a menos, a Colômbia controlou o jogo a partir do gol do Japão. O empate, todavia, veio graças à inspiração de Juan Quintero. O meia do River Plate cobrou falta por baixo da barreira, no melhor estilo Ronaldinho Gaúcho, e viu a bola morrer dentro do gol aos 38 min de partida.

Japão não se impõe no 11 x 10...

Nem 5 min de primeiro tempo e o jogo seguia um roteiro totalmente favorável aos japoneses. Com um a mais e em vantagem no placar, o time asiático teria pouco mais de 80 min para administrar o jogo, explorar contra-ataques e obter a primeira vitória em Mundiais desde 24 de junho de 2010 (3 a 1 na Dinamarca). Não foi o que aconteceu. Os colombianos dominaram o meio-campo e conseguiram evitar uma pressão japonesa até o fim da primeira etapa.

...mas cresce no segundo tempo

Os japoneses demoraram, mas obtiveram o domínio esperado somente no segundo tempo. Diante do cansaço colombiano, o time asiático conseguiu levar perigo e obrigar Ospina a trabalhar bem em chutes de Osako e Inui. A entrada de Honda, poupado do início do jogo, também melhorou o volume ofensivo dos japoneses. Ele, aliás, foi decisivo: cobrou escanteio na cabeça de Osako, que recolocou sua seleção em vantagem.

FICHA TÉCNICA
COLÔMBIA 1 x 2 JAPÃO

Local: Arena Mordovia, em Saransk (Rússia)
Data: 19 de junho de 2018 (terça-feira)
Horário: 9h (de Brasília)
Árbitro: Samir Skomina (Eslovênia)
Assistentes: Jure Praprotnik (Eslovênia) e Robert Vukan (Alemanha)
Cartões Amarelos: Barrios e James Rodríguez (Colômbia); Kawashima (Japão)
Cartão Vermelho: Carlos Sánchez (Colômbia)

Gols:
COLÔMBIA: Quintero, aos 38min do 1º tempo
JAPÃO: Kagawa (de pênalti), aos 6min do 1º tempo; e Osako, aos 28min do 2º tempo

COLÔMBIA: Ospina, Arias, D. Sánchez, O. Murillo e Mojica; Carlos Sánchez e Lerma; Cuadrado (Barrios), Quintero (James Rodríguez) e Izquierdo (Bacca); Falcao García.
Técnico: José Pekerman.

JAPÃO: Kawashima; H. Sakai, Yoshida, Shoji e Nagatomo; Hasebe e Shibasaki (Yamaguchi); Haraguchi, Kagawa (Honda) e Inui; Osako (Okazaki).
Técnico: Nishino Akira.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo