México

NYT: Por que Rafa Márquez não pode beber a mesma água do elenco do México

AFP
Zagueiro responde a processo nos EUA e é acusado de usar empresas para lavar dinheiro oriundo do narcotráfico Imagem: AFP

Do UOL, em São Paulo

19/06/2018 07h33

O zagueiro Rafael Márquez é obrigado a cumprir uma série de restrições no Mundial da Rússia em virtude de ter seu nome fichado em uma lista policial nos EUA. A informação é do jornal The New York Times. Aos 39 anos e em sua quinta Copa do Mundo, o jogador é acusado de ter aberto empresas na América do Norte com a finalidade de movimentar dinheiro oriundo do narcotráfico.

Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

Márquez teve seu nome incluído, no ano passado, em lista de suspeitos do Departamento do Tesouro norte-americano por suposta lavagem de dinheiro. E esta inclusão o proíbe de fazer qualquer ligação comercial com empresas dos Estados Unidos. O mexicano teve seu visto para os EUA cancelado e suas contas com sede no país foram bloqueadas.

Com nome 'sujo' e para não ter seu nome atrelado a empresas, Márquez tem sido uma figura deslocada no elenco mexicano em várias situações.

Segundo o NYT, o experiente zagueiro não bebe a mesma água dos demais jogadores, para evitar que o zagueiro apareça com alguma garrafa com rótulo. O uniforme usado por Márquez nos treinos também é diferente dos demais, sem o logotipo dos patrocinadores.

AFP
Rafael Márquez (à esquerda) usa uniforme sem patrocinadores no peito, diferentemente dos demais atletas do México Imagem: AFP

Em sua camisa de treino não consta as marcas da Coca-Cola, do Banamex e da Movistar, apoiadores da seleção mexicana. Existe apenas o patrocínio da Adidas, que tem base na Alemanha (fora do processo de lavagem de dinheiro, nos EUA). Até o alojamento de Márquez na Rússia foi inspecionado para que nenhum patrocínio estivesse por perto.

O NYT cita que a Fifa foi avisada pelos patrocinadores do torneio para que não faça entrevistas com Márquez à frente ao banner oficial colocado no campo logo após o término dos jogos na Copa.

Até o prêmio de melhor jogador em campo, concedido pela Fifa em todas as partidas, deve ser evitado a Márquez. Esta premiação é bancada pela cervejaria Budweiser, com sede nos Estados Unidos.

Além disso, Márquez não receberá premiações previstas na Copa do Mundo. A Fifa repassa cerca de 1,5 milhão de euros às seleções do torneio com o intuito de ser repassado aos jogadores. Os bancos autorizados pela Fifa para o repasse desta verba não têm conexões com os Estados Unidos, mas as instituições financeiras pressionaram a não incluir Márquez no rateio do dinheiro - o que ganhou aval do próprio atleta.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais México

Topo