Copa 2018

Na Copa, seleções driblam noites de cinco horas para ter recuperação plena

Alex Livesey - FIFA/FIFA via Getty Images
As noites na Rússia não são tão escuras durante o verão e podem atrapalhar o sono dos atletas Imagem: Alex Livesey - FIFA/FIFA via Getty Images

Bruno Grossi, Felipe Pereira e Julio Gomes

Do UOL, em São Paulo (SP) e São Petersburgo (Rússia)

22/06/2018 04h00

A comissão técnica do Brasil chegou a São Petersburgo com uma série de recomendações aos atletas, antes do embate com a Costa Rica, às 9h (de Brasília) ou 15h (da Rússia) desta sexta-feira. Tudo envolvia as "noites brancas", que acontecem no solstício de verão em regiões mais ao norte do planeta. O fenômeno deixa as noites com apenas cinco horas de duração e o céu noturno, mais claro.

Isso pode afetar diretamente no desempenho dos jogadores e tem sido combatido diariamente por seleções que estão alojadas na mesma área. O UOL Esporte, então, procurou o fisiologista Turíbio Leite de Barros, que trabalhou no São Paulo por 25 anos, para entender os efeitos das "noites brancas" e a importância de algo simples na rotina de um atleta de alta performance: dormir no escuro.

"O que se prejudica é a recuperação. O sono é o momento em que você repõe energia, reequilibra o metabolismo. É fundamental até para os benefícios do treino fazerem efeito. Se não dorme, não repõe a energia e sente mais o desgaste físico do treinamento, a recuperação é mal feita. Isso vai refletindo em disposição física e até aptidão técnica. É fundamental cuidar do período de sono, com escuridão", explica.

Além das seleções que passam por São Petersburgo e arredores apenas para os jogos na cidade, há quatro times que estão de fato hospedados na região: Arábia Saudita, Croácia, Coreia do Sul e Inglaterra. Essas delegações precisaram tomar ainda mais cuidados com as "noites brancas", solicitando aos hotéis que instalassem cortinas do modelo blackout, que geram total escuridão nos ambientes, nos quartos dos atletas. 

Alex Morton/Getty Images
Jogadores da seleção da Inglaterra convivem com as "noites escuras" na Rússia Imagem: Alex Morton/Getty Images

"Acordei às 3h30 da manhã e achei que já estava na hora de levantar", confessou o meia Delle Alli, da Inglaterra, que está alojada em uma latitude equivalente à Groenlândia e ao Alaska. A Costa Rica, rival brasileira desta sexta, também se assustou com a luminosidade constante. O capitão Bryan Ruiz desabafou: "é estranho, mas é legal ter esse tipo de experiência. Temos que fechar as cortinas às 22h30 ou 23h, senão não conseguimos dormir. É bacana, mas estou aliviado porque logo logo já vamos embora aqui".

Embora as "noites brancas" sejam um fenômeno das regiões mais ao norte, outras áreas da Rússia também têm períodos mais curtos de escuridão com a chegada do verão. A Argentina, por exemplo, investiu em um centro de treinamento especial, moldado exatamente para os jogadores trabalharem antes e durante a Copa. Isso garantiu até que zonas de convivência, como salão de jogos e salas de jantar, tivessem as cortinas de blackout. Quando a seleção de Lionel Messi sai para viajar para os jogos, como aconteceu em Nizhni Novgorod, o procedimento é repetido nos hotéis.

Explicação técnica, pelo fisiologista Turíbio Leite de Barros

"A questão da luminosidade afeta o ciclo do sono, que na verdade faz parte do ciclo circadiano. Ele regula uma série de hormônios, da fase sono-vigília, por isso tem que se tomar cuidado para não encurtar o sono dos atletas. É um fator indispensável para que eles mantenham o nível de disposição física e produção de energia. O repouso é necessário e esse fator precisa ser cuidado, evitando o uso de celulares, tablets quando está perto da hora de dormir, para não trazer mais luminosidade. Esse ciclo sono-vigília e o circadiano, que tem um mediador hormonal, produzido pela glândula pineal, depende dessa oscilação entre luz e escuridão para funcionar."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo