Argentina

Com Messi abatido, Argentina coloca em prática plano para reanimar craque

Ricardo Mazalan/AP
Lionel Messi durante treinamento da Argentina em Bronnitsy Imagem: Ricardo Mazalan/AP

Marcel Rizzo

Do UOL, em Bronnitsy

23/06/2018 06h50

A comissão técnica da Argentina e a direção da Associação de Futebol da Argentina (AFA) têm uma missão: animar seu principal craque, Lionel Messi. A avaliação é que o jogador está abatido, mais do que os outros atletas, e seu estado emocional preocupa.

Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

O primeiro passo foi uma reunião com todo o grupo, na noite de sexta (22), que teve a presença do presidente da AFA, Claudio Tapia. A recomendação é esquecer os problemas internos e externos, não ler as críticas e pensar passo a passo. O encontro ocorreu depois da vitória da Nigéria sobre a Islândia, que ressuscitou as chances de o time passar de fase (uma vitória simples contra a Nigéria, terça, pode bastar desde os islandeses não vençam os croatas).

Para Messi, há atenção especial porque se avalia que ele ficou cabisbaixo após a perda do pênalti contra os islandeses. Ele, inclusive, tratava esse Mundial como especial pela possibilidade de ser o seu último, mas essa expectativa pode ter tido efeito contrário: mal em campo, parece estar se frustrando ao se aproximar de uma aposentadoria na seleção sem títulos.

Na chegada de Nizhny Novgorod, Messi preferiu não jantar. Foi direto ao quarto. O clima era de velório para todos.

Durante a partida contra a Nigéria, segundo relato do jornal “Olé”, os jogadores ficaram em seus quartos, como Messi, e poucos viram o confronto em uma sala comum em que há sinal de TVs argentinas. Houve muita comemoração nos dois gols de Musa.

Tapia, que comanda a AFA, está dando atenção especial a Messi. Na quinta, pós derrota para a Croácia, ele saiu ao lado de seu capitão do vestiário. Messi não falou com a imprensa.

Neste sábado, no treino no CT em Bronnitsy, cidade a 60 km de Moscou onde é a base argentina, lá estava Tapia de novo, na arquibancada. Ao passar, foi um dos poucos que Messi cumprimentou.

Poucos sabem o que realmente Messi está sentindo, se ele está com algum problema pessoal, se não suporta Sampaoli ou se está se cobrando pelas más atuações. Mas o foco é deixá-lo à vontade e motivá-lo. No elenco, os eleitos para conversar com ele foram Mascherano e Agüero. Na terça se vai dar certo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Argentina

Topo