Copa 2018

Em despedida da Copa, Peru tenta frustrar "aliado inesperado" de Guerrero

REUTERS/Jason Cairnduff
Paolo Guerrero, durante derrota do Peru contra a França Imagem: REUTERS/Jason Cairnduff

Do UOL, em São Paulo

25/06/2018 20h00

O Peru não briga por mais nada na Copa do Mundo e se despede do torneio na Rússia contra a Austrália, nesta terça-feira (26), às 11h (de Brasília), em Sochi. Enquanto os australianos sonham com as oitavas de final, os peruanos tentarão frustrar um "aliado inesperado" de Paolo Guerrero e dar orgulho à torcida com a primeira vitória no Mundial.

Simule resultados da última rodada e quem vai às oitavas
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

O camisa 9 viu o capitão australiano, Mile Jedinak, dar seu aval para que o peruano pudesse jogar a Copa. Afinal, os capitães das seleções que disputam o Grupo C foram ouvidos e concordaram com a participação do atacante.

Guerrero foi confirmado na lista do Peru após ter sua punição suspensa por uma liminar no Tribunal Suíço depois de receber suspensão de 14 meses por doping imposta pela CAS (Corte Arbitral do Esporte). Agora, na despedida dos peruanos, o camisa 9 quer agradecer a Jedinak.

“Eu ainda não tive a chance de agradecê-lo pessoalmente. Espero fazer isso antes do jogo de amanhã e também espero que possamos conversar. Eu estou tão, tão grato a ele”, disse o atacante do Flamengo nesta segunda-feira (25). “Como todos os jogadores, eu acho que temos que nos apoiar e espero abraçá-lo e agradecê-lo pessoalmente”, acrescentou.

Mesmo depois de ser liberado para jogar na Copa, Guerrero viu do banco o começo da trajetória dos peruanos e só entrou no segundo tempo na derrota por 1 a 0 para a Dinamarca na estreia.

Depois, o atacante voltou a ser titular no time comandado por Ricardo Gareca, mas também não evitou mais um revés por 1 a 0, desta vez contra a França. Com o resultado, os sul-americanos viram as chances de classificação acabarem. Agora, a motivação para a despedida fica com a possibilidade de vencer na volta a uma Copa depois de 36 anos.

Austrália sonha com vaga

Já a seleção australiana mostrou bom futebol na estreia, mas acabou derrotada pela França por 2 a 1. Depois, saiu atrás do placar contra a Dinamarca, buscou o empate e ficou mais perto da vitória, mas viu o jogo terminar mesmo 1 a 1.

Maddie Meyer/Getty Images
Mile Jedinak, capitão da Austrália Imagem: Maddie Meyer/Getty Images

Com isso, a Austrália soma apenas um ponto e agora tem que vencer o Peru, torcer para a França bater os dinamarqueses, que estão com quatro pontos, e ainda precisa tirar a diferença no saldo de gols (atualmente -1 a 1) para ficar com o segundo lugar do grupo.

“Nós só pensamos em nós mesmos. Temos que fazer nosso trabalho, o que não será fácil. Vamos fazer nosso melhor e ver o que acontece. Os jogadores franceses querem mostrar para o mundo todo o que podem fazer, mas eu não tenho controle sobre isso”, disse o técnico da seleção australiana, Bert van Marwijk.

“O Peru é um bom time e dará tudo amanhã. Certamente terão mais de 25 mil torcedores peruanos, e eles jogam com muita paixão. Temos que estar bem organizados”, afirmou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo