Copa 2018

Sexo, glamour e futebol: o jogo do Brasil em uma boate de luxo em SP

Daniel Lisboa/UOL
Público de casa noturna acompanha jogo do Brasil em telão; na hora da partida, é futebol em primeiro lugar Imagem: Daniel Lisboa/UOL

Daniel Lisboa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/06/2018 04h00

Pediram que eu tomasse cuidado, temiam uma loucura financeira, disseram que eu me apaixonaria, era inevitável. Ouvi alertas de todos os tipos a respeito do lugar onde assisti ao jogo do Brasil ontem (27). 

Nunca gostei de estabelecimentos do tipo, também conhecidos como casas de prostituição. Meu ego me impede: por mais que me esforce, não consigo ver graça alguma em sexo em troca de dinheiro. Parece um sentimento óbvio, mas quem conhece entusiastas da modalidade sabe que, para eles, esse raciocínio não faz o menor sentido.

Admito que rola também um sentimento de superioridade moral: prefiro passar meses sem sexo a ser que nem "esses caras que precisam pagar para transar".

Pura besteira, penso racionalmente: desde que não envolva - evidentemente - a exploração de ninguém, trata-se apenas de mais uma das milhões de maneiras pelas quais trocamos dinheiro por alguma dose efêmera de prazer. O mesmo raciocínio, claro, vale pra uma mulher que busca um michê. Como Sônia Braga no filme "Aquarius".

Tudo esclarecido, entrei em uma das casas noturnas mais luxuosas e famosas de São Paulo para assistir à seleção contra a Sérvia. E, claro, tentar entender o que ali desperta tamanha idolatria. No caso de uma eliminação brasileira, pensei que ao menos eu teria um boa história para contar no futuro.

Isso, claro, se eu não sucumbisse às tentações da carne e deixasse ali uma soma que acabaria com qualquer conceito de “futuro”.

Copa é Copa mesmo em um templo do sexo

Com o cartão que dava direito a 150 reais de consumação, peguei o elevador e logo estava no ambiente principal. Um grande telão mostrava o jogo do Brasil, além de TVs em espaços laterais onde os clientes e as moças podem confraternizar com mais intimidade.

A partida começava no instante em que cheguei, e fiquei surpreso em constatar que o público, e as garotas, de fato pareciam compenetrados na disputa. Claro que havia uma conversa aqui, um approach mais quente acolá, mas quase todo mundo prestava atenção mesmo era no que acontecia em Moscou.

Fosse nas mesinhas dispostas de frente para o telão, ou nas cadeiras da longa bancada do bar, quase todo mundo olhava para o telão. Afinal, é Copa do Mundo, prioridade até para quem está disposto a gastar mil reais por um programa ou, no caso das garotas, está ali a trabalho.

“Adoro futebol. Agora é prestar atenção na partida, espero que ninguém queira me levar para o quarto agora”, me disse uma delas. H. é estudante de uma conceituada universidade particular paulistana e explica que está ali para conseguir pagar a exorbitante mensalidade.

H. diz que chegou há pouco do Rio de Janeiro, é vascaína, e elogia a estrutura do novo emprego. “No Rio só tem puteiro mesmo, não tem nada nesse nível”.  Ela conta, sem que eu precise me esforçar muito para isso, sobre supostas surubas com famosos da TV e com um famoso político brasileiro defensor da moral e dos valores familiares (e que está preso).

Seu pai sabe e compreende sua escolha, a mãe não sabe e jamais compreenderia, e H. fala sobre sua vida da mesma maneira que outras garotas da casa: passando a impressão de ser extremamente bem resolvida a respeito dela, muito mais do que eu e de muita gente supostamente esclarecida que conheço.

Pagando de glamouroso

É G. quem me explica como funciona a casa: 200 reais pelo quarto mais 800 pelo programa. Isso, ela diz, se eu levar só uma garota, o que me leva a perguntar se há quem leve muito mais do que uma. “Claro. Um cara já me levou juntou com mais cinco. E transou com todas”.

Mais impressionado com o quanto o suposto cliente desembolsou do que com sua performance sexual, tento fazer as contas ali na hora, peço ajuda para G, mas ela também se perde nos números e juntos só concluímos o óbvio, foi uma baita grana.

Poucas garotas vestem as cores do Brasil, duas delas estão no balcão com a postura corporal indicando “não me incomode durante a partida”, mas resolvo abordá-las assim mesmo. Elas explicam que há TV no quarto, então nada impede que, caso eu queira, assistamos a Neymar e cia enquanto transamos.

Agradeço a sugestão e explico que estou ali apenas para conhecer a casa. Me sinto um pouco mal por isso. Afinal, tenho certeza, poucas coisas devem irritá-las mais do que caras que aparecem ali só para pagar de glamourosos, sem grana para consumar o ato final. Com uma coca zero na mão que nem eu, então, deve parecer mais patético ainda.

Esbarro em um cara sentado e de canto de olho já o identifico: é um colega dos tempos de colégio. Não nos encontrávamos há uns dezoito anos. Diferente de mim, ele é um frequentador habitual da casa. Conta que já fechou vários negócios ali.

Sem que me perguntem, me apresso em explicar que estou ali a trabalho. É o meu inconsciente mais uma vez querendo me diferenciar dos caras ao redor. Meu colega levanta para pegar uma cerveja e o perco de vista. Nem deu tempo de falar da seleção.

A garota da sorte

Do lado de fora, um grupo de três amigos devoram uma porção de carne. Acompanham o jogo ao lado de três garotas, e imagino o quanto a orgia, gastronômica inclusive, lhes custará. Talvez o equivalente a uma passagem para a Rússia.

A maior parte do público é formada por homens assim do jeito que você imaginou: brancos de camisa polo e senhores barrigudos. Meu visual mais para o hipster definitivamente me condena à exclusão. Eu deveria estar assistindo ao jogo numa cervejaria orgânica, ou sequer estar assistindo, em protesto contra esse esporte alienante.

J. me dá um cigarro sabor amarula e começa a falar sobre a vida dela. Como as outras garotas com as quais conversei, é absurdamente eloquente. O Brasil marca o segundo gol enquanto falamos e ela diz que isso aconteceu porque ela dá sorte. Não só no futebol: no pôquer, no xadrez. Conta várias histórias para comprovar sua tese. E outras, pessoais, tão rocambolescas e fascinantes que me sinto impedido de revelar um único detalhe aqui sob o risco de revelar sua identidade.

Explico que preciso ir embora e ela pergunta se voltarei para o próximo jogo. Afinal, a seleção está classificada. Sem acreditar realmente nisso, digo que sim, voltarei, e por um instante entendo o que escutei sobre sair de lá apaixonado: uma parte de mim queria mesmo continuar conversando com ela. “Podemos sair para tomar um café, como amigos”, ela diz.

O jogo acabou e, no saguão principal, todos já estão de pé. Agora conversam animadamente e ficam mais próximos. A tensão do jogo passou.

Neymar acena para a câmera no telão. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo