Copa 2018

Geração belga brilha, desmancha Brasil de Tite e frustra o sonho do hexa

Danilo Lavieri, Dassler Marques, João Henrique Marques, Pedro Ivo Almeida e Ricardo Perrone

Do UOL, em Kazan (Rússia)

06/07/2018 16h53

Motivo de intermináveis discussões entre brasileiros nos últimos anos, a Bélgica e sua “ótima geração” encerraram o sonho do hexacampeonato na Rússia nesta sexta-feira (6), em Kazan. Com gols de Fernandinho, contra, e De Bruyne, todos no primeiro tempo, o Brasil foi derrotado por 2 a 1 e deixou a Copa do Mundo de 2018 bem antes que sua torcida imaginava. Renato Augusto foi o responsável pelo gol de consolação brasileiro.

Clique aqui e veja os gols da partida.

Em dia de Neymar muito abaixo do normal e grande atuação de Lukaku, a Bélgica desmanchou a defesa brasileira, ressentida da ausência de Casemiro e com Fernandinho, quatro anos depois, em mais uma atuação trágica. O Brasil só encontrou esperança com Renato Augusto, que diminuiu o marcador, mas a semifinal contra a França ficará a cargo dos belgas em uma Copa que agora é só de seleções europeias.

A eliminação contra um rival que tem jogadores em quase todas as grandes equipes da Europa se deu em noite atípica em quase dois anos da era Tite. O Brasil não havia sofrido dois gols em nenhum jogo sob seu comando e não havia perdido com time completo em campo até a fatídica eliminação em Kazan.

O melhor: Lukaku

Francisco Seco/AP
Imagem: Francisco Seco/AP

O centroavante belga que fala português foi verdadeiro trator em Kazan. Lukaku, quase um ponta direita na proposta de jogo de seu time, travou um duelo firme com Miranda, que se desdobrou em disputas contra ele. Lukaku, porém, prendeu bolas, deu arrancadas e praticamente matou o confronto com a assistência para De Bruyne marcar.

O pior: Fernandinho

Buda Mendes/Getty Images
Imagem: Buda Mendes/Getty Images

Novidade na escalação do Brasil por suspensão de Casemiro, o substituto teve mais uma noite para esquecer em Mundiais. O volante adorado por Pep Guardiola anotou o gol contra que desmanchou o time brasileiro, não conseguiu conter Lukaku no segundo gol e a partir disso somou decisões erradas, ansioso por uma redenção dentro do próprio jogo. Foi o segundo contra do Brasil em Copas, depois do feito por Marcelo, contra a Croácia, em 2014. 

Neymar manca, pede pênaltis e some na hora da decisão

Buda Mendes/Getty Images
Imagem: Buda Mendes/Getty Images

Na Copa que parecia dele, aos 26 anos, Neymar não conseguiu vencer a Bélgica que poucos espaços concedeu. O primeiro tempo foi regular, mas o segundo foi provavelmente seu pior na Copa. O camisa 10 errou domínios, passes bobos e se reencontrou com um artifício que atrapalha seu jogo. Pediu pênaltis enquanto não via as coisas funcionarem. Nos acréscimos, um belo chute quase marcou o empate, mas encerrou um Mundial em que ele, de novo, não chegou à semifinal e em que sofreu com dores no pé operado do começo ao fim.  

Roberto Martínez libera trio ofensivo e desmancha o Brasil com formação inédita

O treinador espanhol que comanda a Bélgica fez mudanças profundas depois de quase ser eliminado pelo Japão nas oitavas de final. O sistema com linha de cinco na defesa foi alterado para quatro defensores, com Vertonghen, zagueiro de origem, na lateral esquerda. A área foi bem protegida por Witsel e ainda Fellaini e Chadli, novidades. O ataque ficou a cargo de De Bruyne, como armador a explorar os espaços de Fernandinho, e Hazard e Lukaku como atacantes. O Brasil nunca conseguiu ser firme como antes diante desse trio protagonista do Campeonato Inglês. 

Início bom do Brasil dura pouco e vale nada após gol da Bélgica

Os primeiros minutos do jogo em Kazan foram de perigo para o Brasil, que teve oportunidades claras com Thiago Silva, que acertou a trave, e Paulinho, que não conseguiu arrematar a gol em disputa na área. Durou pouco o domínio: com 13min, Fernandinho colocou contra as próprias redes em raspada de cabeça e inaugurou o marcador a favor da Bélgica. O lance mudaria a etapa inicial e ditaria o placar do jogo.  

Gol contra de Fernandinho é a bola parada que assombra o Brasil e a Copa

Laurence Griffiths/Getty Images
Imagem: Laurence Griffiths/Getty Images

Até então, seis gols sofridos na era Tite. E tal qual o anotado contra por Fernandinho, a bola parada como vilã já havia pintado em quatro oportunidades. O caminho foi aberto da maneira como tem sido muito comum no Mundial da Rússia e da mesma forma como a França, mais cedo, fez seu primeiro gol sobre o Uruguai. O índice dos gols nesse tipo de lance é superior a 45% de todos feitos no Mundial.

Desvantagem faz Brasil se perder. A Bélgica aproveita e amplia

Frank Augstein/AP
Imagem: Frank Augstein/AP

O gol contra de Fernandinho, e seu descontrole na sequência, fez o Brasil se perder psicologicamente e o equilíbrio do time foi abaixo. Enormes clarões se abriram no meio-campo e a recomposição ruim foi aproveitada pela Bélgica. Em lindo lance de Lukaku, que venceu Fernandinho e arrancou justamente nesse buraco, De Bruyne recebeu e, de fora da área, acertou um chutaço sem qualquer chance para Alisson.

Brasil pede pênalti, mas VAR manda seguir

A seleção brasileira chegou a pedir pênalti aos 10 minutos do segundo tempo, quando Gabriel Jesus tentou driblar Kompany dentro da área e foi derrubado. O árbitro Milorad Mazic consultou o árbitro de vídeo, mas mandou a partida seguir na sequência.

Antes disso, um lance envolvendo Neymar também fez o técnico Tite pedir que a tecnologia fosse utilizada. Neymar invadiu a área e caiu. O árbitro mandou a partida seguir e o próprio atacante pediu para que os jogadores da seleção brasileira não reclamassem. Já no fim, o camisa 10 voltou a pedir penalidade em um empurrão na área, mas nada foi marcado. 

Tite manda o time com tudo à frente, mas insiste em Fernandinho

Michael Regan - FIFA/FIFA via Getty Images
Imagem: Michael Regan - FIFA/FIFA via Getty Images

Sem sucesso na proposta de jogo inicial, Tite ainda no primeiro tempo alterou o 4-1-4-1 para o 4-4-2 que marcou a vitória sobre o México. No intervalo, Firmino, o principal reserva brasileiro na Copa, entrou para aumentar o poder de fogo do ataque, e minutos depois foi Gabriel Jesus quem saiu para que Douglas Costa desse mais energia pela ponta. A última cartada foi Renato Augusto, que incendiou o jogo com um gol. Já Fernandinho, o pior em campo, seguiu até o final.

Renato Augusto comanda reação, mas Brasil não tem forças para empatar

Acionado para a vaga de um Paulinho que deixa a Copa do Mundo com mais uma atuação ruim, Renato encontrou as redes aos 30min: um bonito lançamento de Coutinho parou na cabeçada dele, que venceu Courtois e incendiou a torcida. O Brasil teve pelo menos mais quatro chances, com Renato, Firmino, Coutinho e por fim Neymar, que no suspiro final viu o goleiro belga, gigante, impedir o empate.

Suspensão de Casemiro desequilibra o meio-campo do Brasil

Entre os grandes responsáveis pelo sucesso defensivo da zaga brasileira nos primeiros quatro jogos, Casemiro foi uma ausência muito sentida. As coberturas perfeitas, a leitura defensiva e a força física dele foram substituídas por um jogo que Fernandinho certamente tentará esquecer. Das tribunas, o volante que levou cartão tolo contra o México certamente lamentou não poder ajudar o Brasil.

Russo do meme comparece ao estádio

Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

A torcida brasileira contou com um reforço em Kazan. O russo Yuri Torsky, que ficou conhecido durante a partida contra o México nas oitavas como o “Psicopata do hexa”, assistiu ao duelo contra a Bélgica no estádio. Antes do jogo, ele já havia participado do esquenta” da torcida brasileira junto com o Canarinho Pistola.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 1 x 2 BÉLGICA

Local: Arena de Kazan, em Kazan (Rússia)
Data: 6 de julho de 2018 (sexta-feira)
Horário: 15h (de Brasília)
Público: 42.873 espectadores
Árbitro:  Milorad Mazic (Sérvia)
Assistentes: Milovan Ristic e Dalibor Djurdjevic (ambos da Sérvia)
Cartões Amarelos:  Fagner e Fernandinho (Brasil); Alderweireld e Meunier (Bélgica)
Gols: Renato Augusto (30’/2ºT) Fernandinho, contra (12’/1ºT) e Kevin De Bruyne (30’/1ºT)

BRASIL: Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Renato Augusto) e Philippe Coutinho; Willian (Firmino), Neymar e Gabriel Jesus (Douglas Costa).
Técnico: Tite.

BÉLGICA: Courtois; Meunier, Alderweireld, Kompany e Vertonghen; De Bruyne, Witsel e Fellaini; Chadli (Vermaelen), Hazard e Lukaku (Tielemans).
Técnico: Roberto Martínez.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo