Croácia

Técnico diz que Croácia estar na final é um milagre e cita soberba inglesa

Alexander Hassenstein/Getty Images
Zlatko Dalic, técnico da Croácia, conversa com sua equipe durante pausa técnica antes da prorrogação Imagem: Alexander Hassenstein/Getty Images

Danilo Lavieri, Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em Moscou (Rússia)

12/07/2018 13h44

Zlatko Dalic, técnico da Croácia, ainda está em êxtase pelo feito alcançado. Em entrevista nesta quinta-feira (12), novamente na sala de imprensa do Luzhniki, ele citou todas as dificuldades que o país tem em infraestrutura no futebol e chamou o que viu em Moscou diante da Inglaterra de milagre.

- Por que perdemos? Os fatores que contribuíram para a queda da seleção
- Perrengues na Rússia: de motorista dorminhoco a hotel de filme de terror
- Copa mostra que árbitro de vídeo pode minar agressões e "malandragens"

Para ele, a vaga para enfrentar a França na final da Copa do Mundo, a partir das 12h deste domingo (15), precisa ser o ponto de partida para uma série de mudanças no seu país. O treinador espera que o triunfo sobre a Inglaterra e a presença na decisão não sejam algo isolado na história.

"Se você olhar a nossa infraestrutura, nós somos um milagre. Outro dia, enfrentamos a Inglaterra em casa e não tínhamos um estádio adequado. Por isso eu digo: somos um milagre”, iniciou.

“Para enfrentar Inglaterra e Espanha, precisamos de estádios maiores. O futebol está aí para isso. Infelizmente, não temos. Por isso, quero mostrar as condições em que a gente está trabalhando, mostrar o tamanho do que alcançamos. Quero mostrar as condições que trabalhamos e onde chegamos e as condições que os outros têm e onde eles chegaram. Muita coisa precisa mudar lá em casa. Eu quero dizer: vamos fazer algo!”, completou.

Questionado sobre uma suposta motivação extra de sua equipe por conta do clima de “já ganhou” na Inglaterra, ele admitiu que isso pode ter influenciado. Na zona mista após o triunfo, Luka Modric já havia falado do tema.

“Talvez os ingleses, time ou imprensa, não mostraram o respeito que a gente merecia. Particularmente, se você olhar os times em que nossos jogadores estão... Talvez isso tenha motivado a gente, sim. Mas a gente estaria motivado de qualquer jeito para ir à final, para fazer nossa torcida feliz”, afirmou.

Futuro em aberto

Decepcionado com a estrutura que vê em seu país, ele disse que ainda não tem certeza que continuará no comando da Croácia após a Copa. Ele assumiu a equipe em outubro de 2017. “Do que vai adiantar um pedaço de papel se eu não ganhar? Eu vou jogar a final e aí sento na mesa para negociar”.

Em um papo com a imprensa que durou mais de meia hora, o comandante abordou diversos temas que vão além da tática, do campo e da bola. Dalic disse, por exemplo, ver algumas barreiras para técnicos croatas se desenvolverem na Europa. Com alta dose de confiança, afirmou que ganhar comandando Real Madrid e Barcelona é fácil.

Na carreira, antes de assumir a Croácia, ele teve sucesso no Oriente Médio, especialmente no Al-Ain, onde trabalhou por três anos.

“Não temos tanto respeito na Europa, mas, se você olhar, nós temos bons resultados e grandes nomes. Mas tem aquele ditado: grande dinheiro, grande nome e grande erro. Nós temos muita gente nova que quer resultados. Em um ano, fui campeão da Ásia, depois, trabalhei no Al Ain, ganhei títulos. E nada disso foi me dado de bandeja. Eu costumo dizer: me dê um Real Madrid e um Barcelona e eu também vou ganhar títulos”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Croácia

Topo