Copa 2018

Camelôs brasileiros vendem cópias de camisa da seleção na Rússia por R$ 180

RICARDO SENRA/BBC
Réplicas de camisas da seleção fazem sucesso em Moscou, apesar das rígidas regras sobre venda de produtos ligados à Copa do Mundo Imagem: RICARDO SENRA/BBC

Ricardo Senra

Enviado especial da BBC News Brasil a São Petersburgo

22/06/2018 11h26

Um grupo de brasileiros se tornou o centro das atenções na zona central de São Petersburgo, local do jogo entre a seleção brasileira e a Costa Rica nesta sexta-feira, na segunda partida de ambas na Copa do Mundo da Rússia.

Burlando a marcação forte da polícia russa, da Fifa e da CBF, que têm regras rígidas sobre a venda de produtos ligados à Copa do Mundo e à Seleção, eles abriram uma lona preta com dezenas de réplicas de camisas da camisa oficial de Neymar e companhia a poucos metros da Fifa Fan Fest, principal ponto de encontro de torcedores, à beira do belo rio Neva, que corta o centro da cidade.

Em segundos, eles foram cercados por turistas japoneses, britânicos e americanos em busca da camisa verde-amarela.

A empolgação, no entanto, diminuia quando os brasileiros anunciavam os preços das réplicas: 3 mil rublos - ou R$ 179.

No Brasil, camisas semelhantes são vendidas por R$ 30 em mercados populares.

Ainda assim, o valor é bastante inferior ao praticado pela Nike, fabricante oficial das peças da Seleção. Vendidas em três versões, as camisas oficiais variam no site da marca entre R$ 249,90 e R$ 449,40.

Regras rígidas

Quando a polícia se aproximava, o grupo fechava imediatamente a lona de camisetas e aguardava - exatamente que como acontece em grandes centros urbanos brasileiros quando aparece o chamado "rapa".

Muitos compradores estrageiros, no entanto, não entendiam o motivo da discrição e insistiam em entregar maços com até 30 notas de 100 rublos bem próximo à fiscalização.

"Don't show the money, dinheiro no (Não mostrem o dinheiro)", diziam os camelôs brasileiros, em inglês e português.

A reportagem acompanhou pelo menos cinco vendas em um intervalo de 10 minutos.

RICARDO SENRA/BBC
Quando os agentes de fiscalização se aproximavam, os brasileiros guardavam as mercadorias. Mas os turistas interessados em comprar as blusas, muitas vezes, demorava para perceber o motivo de tanta discrição Imagem: RICARDO SENRA/BBC

A localização estratégica, sob as cúpulas da Catedral do Sangue Derramado, um dos principais cartões postais da cidade, facilitava as vendas. O vaivém na região reúne dezenas de milhares de pessoas todos os dias.

Fifa e CBF proíbem o uso de símbolos da Copa ou do escudo da Seleção brasileira e da própria Confederação Brasileira de Futebol em qualquer objeto, folder, roupa ou peças virtuais sem licenciamento prévio.

Quem viola a regra pode ser processado por falsificação, com penas que vão desde multas a até prisão.

Mas os camelôs na Rússia continuam em ação. As camisas mais procuradas no mercado paralelo são as de Neymar, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Copa 2018

Topo