UOL de Primeira

Os bastidores do futebol em primeira mão

Fla, Palmeiras e Ponte lideram movimento contra atos violentos das torcidas

LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
Detalhe do ônibus da delegação da Ponte Preta na porta de uma delegacia de Polícia, onde o elenco foi prestar queixa por conta da agressão sofrida no aeroporto, no dia 25/9 Imagem: LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
Exclusivo para assinantes UOL

Do UOL, em São Paulo

28/09/2017 04h00

Palmeiras, Flamengo e Ponte Preta formam o embrião de um novo movimento de protesto no futebol brasileiro. O episódio envolvendo agressões a jogadores no desembarque da delegação da equipe de Campinas, na última segunda, foi o estopim para a mobilização.

Membros da Abex (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol) formam a linha de frente do movimento que pretende pressionar as autoridades para que os agressores sejam punidos. O Sindicato dos Atletas de São Paulo também faz parte da mobilização, que espera a adesão de mais times, dirigentes e jogadores. Em um primeiro momento, o movimento chegou até a citar atos organizados como uma greve geral para que situações como essas não se repitam e tenham os envolvidos sempre punidos. (Por Danilo Lavieri e Vinicius Castro)

Veja, abaixo, o vídeo da agressão ao elenco da Ponte:

SP: Leco fala com diretor sobre “mesada”

O diretor executivo de futebol do São Paulo, Vinícius Pinotti, alegou ter recebido o apoio de boa parte da cúpula do clube após o caso das mesadas dadas para o ex-gerente de marketing, Alan Cimerman, demitido por justa-causa. Revelada pelo UOL Esporte na terça-feira, a ligação motivou o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a ligar para Pinotti.
 

Mais UOL de Primeira

Topo