UOL de Primeira

Os bastidores do futebol em primeira mão

R$ 48 mi? Em documento, Santos diz que ganhará bem menos por F. Anderson

Reuters/Adam Holt
Felipe Anderson estreia pelo West Ham com gol Imagem: Reuters/Adam Holt
Exclusivo para assinantes UOL

Do UOL, em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Londres (ING)

10/10/2018 04h00

O valor que o Santos ganhará por Felipe Anderson deve ser bem menor do que os R$ 48 milhões inicialmente previstos pela venda da Lazio para o West  Ham. A De Primeira teve acesso a documentos do clube que relatam que as conversas com a Lazio giram em torno de 5,8 milhões de euros (cerca de R$ 25 milhões), sendo que metade dessa quantia teria que ser repassada à Doyen. Restariam aos cofres santistas 2,9 milhões de euros, valor equivalente a cerca de R$ 12,5 milhões na cotação atual. Os documentos, porém, não esclarecem se estão inclusos neste valor os 3% de mecanismo de solidariedade pelo Santos ser o clube formador do meia, o que pode elevar essa quantia para R$ 17 milhões.

Após ser anunciada a venda, o Santos previa receber 25% do lucro conseguido pela Lazio com a transação, além de 3% do mecanismo de solidariedade. Porém, conforme publicado pelo UOL Esporte, a diretoria do clube alvinegro descobriu após o negócio ser concretizado de que um acordo firmado pelos ex-presidentes Odílio Rodrigues e Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro repassava para Doyen 50% do valor que seria pago pela Lazio pelo lucro da negociação. 

Além disso, pelos valores indicados pelo Santos no documento ao qual a De Primeira teve acesso, a transação de Felipe Anderson para o West  Ham foi por um valor mais baixo do que o noticiado. O meia teria sido vendido por cerca de 31 milhões de euros, 12 milhões a menos do que divulgou a mídia inglesa e italiana na época da venda. Além da Doyen exigir os 2,9 milhões de euros, boa parte do resto da quantia é alvo de tentativa de penhora do agente Giuliano Bertolucci, que emprestou dinheiro ao alvinegro e cobra de volta R$ 9 milhões. (Por Pedro Lopes)

Arábia "fechada" deixa seleção sem cartolas e patrocinadores

A dificuldade elevada em superar as burocracias para entrar na Arábia Saudita deixará a delegação brasileira mais enxuta para os jogos contra a seleção local e a Argentina, nos próximos dias 12 e 16, respectivamente. Apenas jogadores, comissão técnica e integrantes da diretoria de marketing estarão no país a partir da noite desta quarta-feira (10). Cartolas como o presidente da CBF, Coronel Nunes, o CEO da entidade, Rogério Caboclo, não viajarão para os dois jogos na Ásia. 

Mais UOL de Primeira

Topo