10 jogadores que superaram o câncer e voltaram aos gramados

Do UOL, em São Paulo

  • Gilvan de Souza/Flamengo, Vitor Silva/SSPress

Nos últimos meses, o futebol brasileiro teve dois casos de jogadores afastados por doenças graves. O meia Ederson, do Flamengo, passou por uma cirurgia para retirar um tumor do testículo e está sob tratamento. E o atacante Roger, do Botafogo, foi diagnosticado com um câncer no rim. As histórias a seguir fortalecem a esperança de que eles voltem aos gramados o mais rápido possível. 

Paul White/AP
Paul White/AP

1

Éric Abidal

O francês explicou por que usava a camisa 22: "O número na esquerda representa quantas vezes eu tive câncer. O da direita é quantas vezes eu venci". Na primeira vez, em 2011, Abidal fez uma cirurgia para retirar um tumor no fígado e voltou em grande estilo, como capitão do Barcelona na conquista da Liga dos Campeões. Mas, no ano seguinte, a doença voltou, e ele precisou de um transplante. Ficou um ano afastado, e não teve o contrato renovado. Mas a carreira continuou, e ele ainda jogou no Monaco e no Olympiakos antes de se aposentar.
Cristiano Andujar/AGIF
Cristiano Andujar/AGIF

2

Douglas Friedrich

Destaque do Avaí no Brasileirão de 2017, o goleiro teve que ficar 10 meses longe dos gramados no início da carreira. Ele tinha 17 anos e jogava no Galo Maringá quando descobriu um tumor maligno no testículo esquerdo. Enfrentou a quimioterapia e superou a doença. "Foi como se eu tivesse vivido uma história de um livro", recordou. Recuperado, retomou a carreira no Irã e passou por vários times até chegar ao Corinthians, que o emprestou ao Avaí neste ano.
Compartilhe
FERNANDO SANTOS/FOLHA IMAGEM
FERNANDO SANTOS/FOLHA IMAGEM

3

Narciso

O zagueiro do Santos e da seleção foi diagnosticado com leucemia no início de 2000, e ficou dois anos e meio se recuperando de um transplante de medula óssea. Em 2003, voltou aos gramados em um jogo contra o Coritiba no Couto Pereira, e foi ovacionado pelo estádio inteiro. Jogou até 2005, quando pendurou as chuteiras e passou a se dedicar à carreira de treinador.
Vitor Silva/SSPress
Vitor Silva/SSPress

4

Álvaro Navarro

Artilheiro do Botafogo na Série B de 2015, o atacante uruguaio superou um câncer na garganta aos 17 anos, quando se preparava para disputar o Sul-Americano sub-20. Ficou seis meses sem jogar, e trocou os gramados pelas sessões de quimioterapia. Dois anos depois, em 2005, já estava recuperado e pôde cumprir o objetivo de finalmente participar do Sul-Americano sub-20. Conseguiu se firmar nos profissionais do Defensor e passou por outros clubes até chegar ao Botafogo, onde fez nove gols em 15 jogos. Atualmente está no Puebla, do México.
Divulgação/Danubio
Divulgação/Danubio

5

Marcelo Tabarez

Em abril de 2015, quando o atacante uruguaio descobriu um câncer de testículos aos 22 anos, os jogadores do Danubio-URU rasparam a cabeça em solidariedade a ele. Deu certo, e a recuperação foi relativamente rápida: no mesmo mês em que terminou a quimioterapia, anunciou que estava livre da doença. Em novembro, após sete meses afastado, ele fazia seu retorno aos gramados, e voltou a balançar as redes já no mês seguinte.
Ian MacNicol/AFP Photo
Ian MacNicol/AFP Photo

6

Jonas Gutiérrez

O argentino que disputou a Copa de 2010 descobriu um tumor testicular quando defendia o Newcastle, em 2013. A recuperação foi longa. Depois de fazer uma operação e passar por quimioterapia, o meia só voltou a defender o Newcastle em 2015. E ele foi o herói da luta contra o rebaixamento, com um gol e uma assistência no jogo decisivo da última rodada do Inglês. Mesmo assim, acabou sendo dispensado, e hoje joga no Defensa y Justicia-ARG.
Michael Steele/Getty Images
Michael Steele/Getty Images

7

Ebbe Sand

Em 1998, o atacante do Brondby disputou a Copa do Mundo pela Dinamarca e enfrentou o Brasil nas quartas de final. Depois do torneio, descobriu que tinha câncer de testículos. Por sorte, a recuperação foi rápida, e ele já estava de volta aos gramados algumas semanas depois da cirurgia. No ano seguinte, foi comprado pelo Schalke 04, na maior transferência de um jogador dinamarquês à época.
AP Photo/Manu Fernandez
AP Photo/Manu Fernandez

8

Yeray Álvarez

O espanhol de 22 anos teve que superar duas vezes um câncer testicular. Em dezembro de 2016, fez a cirurgia e voltou ao Athletic Bilbao em fevereiro. Mas, em junho, durante a preparação para a Eurocopa sub-21, um novo exame detectou a necessidade de fazer quimioterapia. Foram mais três meses de afastamento até que, em setembro, o Bilbao anunciou o seu retorno aos treinos.
Simone Vilar/Site oficial do Náutico
Simone Vilar/Site oficial do Náutico

9

Magrão

"Eu não queria ter que revelar uma coisa tão íntima. Acontece que quando eu atuava no Emirados, em um exame antidoping de 2011, atestou positivo. Fomos atrás para descobrir qual a razão para isso. E foi constatado um tumor maligno nos meus testículos. Um câncer. Tive que fazer uma operação para remover um dos testículos. Passei por isso e de tempos em tempos preciso continuar o tratamento para não voltar. No fim do ano passado, tomei alguns remédios. E deve ser isso que apareceu agora", justificou o ex-volante após ser pego no doping quando jogava no Novo Hamburgo, em 2015.
Stu Forster/Allsport/Getty Images
Stu Forster/Allsport/Getty Images

10

Carlos Roa

O goleiro da seleção argentina na Copa do Mundo de 1998 recebeu o diagnóstico de câncer de testículo durante a temporada 2003/2004, quando defendia o Albacete no Campeonato Espanhol. Roa também se submeteu a uma cirurgia de extração, e acabou afastado do gramado por um ano para passar por quimioterapia e reabilitação física. Depois de treinar em pequenos clubes da Espanha, voltou aos gramados em 2005 para defender o Olimpo (Argentina). Aposentou-se do futebol em 2006.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos