Como estão os alemães que fizeram 7 a 1 no Brasil quase 4 anos depois

Vanderson Pimentel

Do UOL, em São Paulo

  • Flávio Florido/UOL

Quase quatro anos se passaram desde o maior vexame da história da seleção brasileira. No dia 8 de julho de 2014, o Brasil sofreu uma humilhante goleada de 7 a 1 para a Alemanha em pleno Mineirão, na semifinal da Copa do Mundo. Dentre os 14 jogadores alemães que participaram da histórica partida, a maior parte deles ainda está no radar do técnico Joachim Löw e possui grandes chances de buscarem o penta na Rússia. E sete deles irão reencontrar a seleção brasileira na terça-feira (27), às 15h45 (de Brasília), em amistoso que será realizado no Estádio Olímpico de Berlim.

Enquanto alguns conquistaram ainda mais prestígio após o último Brasil x Alemanha, outros se mantêm no topo de melhores jogadores do mundo. Dentre os que não jogarão o amistoso, a Alemanha perdeu quatro por se aposentarem da equipe, e outros que caíram de rendimento ou que ainda se recuperam de lesão.

Como estão os alemães que participaram do 7 a 1

AP Photo/Martin Meissner
AP Photo/Martin Meissner

Manuel Neuer

Autor de uma grande defesa num chute de Paulinho no início do segundo tempo da semifinal no Mineirão, Neuer não é nome certo para a Copa de 2018. O goleiro não atua pelo Bayern de Munique desde setembro de 2017 por conta de uma fratura no pé esquerdo. Após sofrer uma terceira lesão no mesmo lugar, o jogador de 31 anos chegou a fazer uma estadia na Tailândia para se recuperar de vez. Apesar de ainda não ter um prazo certo para voltar, o técnico Joachim Löw já afirmou que a recuperação de Neuer "está dentro do prazo" do Mundial da Rússia.
Michael Steele/Getty Images
Michael Steele/Getty Images

Philipp Lahm

Após anular as tentativas de jogadas de Bernard, substituto de Neymar na partida, Philipp Lahm encaminhou o seu adeus logo depois de levantar a taça do tetra alemão, mesmo tendo apenas 30 anos na ocasião. Após 3 anos alternando entre a lateral direita e o meio de campo do Bayern de Munique, o também capitão do clube se aposentou dos gramados no meio de 2017, com apenas 33 anos.
Matthew Ashton/Getty Images
Matthew Ashton/Getty Images

Mats Hummels

Substituido por Mertesacker no intervalo do 7 a 1 para se poupar para o jogo da final, Hummels foi um dos atletas que revelou uma conversa dos alemães nos vestiários para jogar o segundo tempo sem humilhar mais os brasileiros. Dois anos após vencer a Copa, o defensor deixou o Borussia Dortmund após 8 anos e voltou ao Bayern de Munique, clube que o revelou, por 35 milhões de euros. Em seu primeiro ano, o zagueiro de 29 anos conquistou o Campeonato Alemão e uma Supercopa da Alemanha pela equipe da Baviera.
Laurence Griffiths/Getty Images
Laurence Griffiths/Getty Images

Jérôme Boateng

Pouca coisa mudou na carreira de Boateng da goleada contra o Brasil até o amistoso desta terça-feira. Com 29 anos, o zagueiro segue sendo peça fundamental na defesa do Bayern de Munique, e também da seleção alemã. No último ano, ele conseguiu aumentar seu entrosamento com Hummels após a chegada do defensor ex-Borussia Dortmund ao time bávaro.
Laurence Griffiths/Getty Images
Laurence Griffiths/Getty Images

Benedikt Höwedes

Zagueiro de origem, Höwedes jogou parte da Copa improvisado na lateral esquerda, e não teve problemas em marcar Hulk na partida do Mineirão. Em busca de voos maiores na carreira, o atleta trocou recentemente o Schalke 04, time em que era capitão, pela Juventus. No entanto, a reserva no time italiano fez com que o defensor perdesse seu espaço na equipe de Löw. Höwedes não é convocado para atuar pela Nationalelf desde março de 2017.
Flávio Florido/UOL
Flávio Florido/UOL

Sami Khedira

Ele é o nome mais lembrado em piadas sobre o 7 a 1 pelos brasileiros, e justamente pelo papel fundamental que teve na partida em questão. Autor de variadas tabelas com Kroos, Schweinsteiger e Özil, o volante fez o quinto gol alemão. Apesar do prestígio com a seleção, o volante não tinha o mesmo espaço no Real Madrid, onde era reserva. Em 2015, Khedira rumou para a Juventus, onde é titular na maioria das partidas. Com apenas 30 anos, o atleta se recuperou do histórico de lesões e segue como uma das principais opções de Löw no meio de campo.
Martin Rose/Getty Images
Martin Rose/Getty Images

Bastian Schweinsteiger

Parte do meio campo que impediu o Brasil de criar jogadas ofensivas, Schweinsteiger sente o peso dos 33 anos e vem em queda livre na carreira. Em 2015, ele tentou recuperar o prestígio se transferindo para o Manchester United, mas não foi tão aproveitado por Louis Van Gaal. Um ano depois, o volante, que se tornou o capitão após a saída de Lahm, aposentou-se da seleção e passou a braçadeira para Neuer. Em março de 2017, o jogador rescindiu com o clube inglês e assinou com o Chicago Fire. Nos EUA, o jogador vive com a ex-tenista Ana Ivanovic e a filha Luka, que nasceu no último dia 13.
AFP PHOTO / GABRIEL BOUYS
AFP PHOTO / GABRIEL BOUYS

Toni Kroos

Contratado pelo Real Madrid antes da Copa, Toni Kroos viu seu prestígio subir ainda mais depois do 7 a 1. Autor do terceiro e do quarto gol, o volante foi o principal articulador de jogadas da Alemanha e ganhou o prêmio de melhor jogador da partida também por uma assistência e por ter acertado 93% dos seus passes. Titular absoluto do time merengue, Kroos também é nome certo no meio-campo titular de sua seleção em 2018.
Flávio Florido/UOL
Flávio Florido/UOL

Mesut Özil

Özil desenvolveu a tabela com Khedira para o quinto gol da Alemanha. O meia poderia ter feito o oitavo gol da Alemanha, mas perdeu uma chance de frente para Julio Cesar após receber lançamento sem marcação. Principal articulador da equipe no campo ofensivo, Özil recentemente renovou o seu contrato com o Arsenal, clube em que se tornou o protagonista após a saída de Alexis Sánchez para o Manchester United.
AFP PHOTO / FELIPE DANA/POOL
AFP PHOTO / FELIPE DANA/POOL

Thomas Müller

Thomas Müller fez apenas o primeiro gol da Alemanha, mas o seu tento entrou para a história de sua seleção. O gol foi o 2.000º da história da equipe, e o jogador foi o terceiro a fazer cinco ou mais gols em duas Copas diferentes (Klose e Teofilo Cubillas são os outros). Peça fundamental no Bayern de Munique e na seleção alemã, Müller deve enfrentar o Brasil também nesta terça-feira. Com 10 gols em Copas e apenas 28 anos, o meia segue na luta para ultrapassar os 16 gols de Klose e se tornar o maior artilheiro da história dos Mundiais.
Flávio Florido/UOL
Flávio Florido/UOL

Miroslav Klose

Se o primeiro gol foi um marco na história da seleção alemã, o segundo quebrou recorde de Copas do Mundo. O tento feito por Miroslav Klose foi o seu 16º em Mundiais, e o alemão conseguiu ultrapassar Ronaldo como o maior artilheiro da história dos Mundiais. O atacante, que se aposentou da seleção após a conquista do tetra em cima da Argentina, deu o seu adeus definitivo ao futebol em 2016, aos 37 anos, após uma passagem de sucesso também pela Lazio.
Jean Catuffe/Getty Images
Jean Catuffe/Getty Images

Per Mertesacker

Substituto do poupado Hummels no intervalo, Mertesacker fez mais sucesso por dar o seu parecer sobre o primeiro tempo da partida, em que a Alemanha abriu 5 a 0. "Mesmo do banco, o jogo era louco de se ver", afirmou o zagueiro após a partida. Mesmo tendo apenas 29 anos à época, o zagueiro anunciou sua aposentadoria um mês após a conquista da Copa de 2014. Recuperado de um histórico de lesões, o defensor alterna entre a titularidade e a reserva do Arsenal com o também alemão Shkodran Mustafi.
Matthew Ashton/Getty Images
Matthew Ashton/Getty Images

Julian Draxler

Draxler tinha apenas 20 anos quando substuiu Khedira, aos 31 minutos do segundo tempo. Tímido, o meia teve atuação discreta na partida, mas cresceu bastante de produção nos últimos 4 anos. Após ser contratado pelo Wolfsburg do Schalke 04 em 2015, o alemão se tornou um dos pilares da equipe alemã, e acertou sua ida ao Paris Saint-Germain em janeiro de 2017. Mesmo sendo reserva do time francês após a chegada de Neymar, o meia, que foi o capitão da Alemanha campeã da Copa das Confederações do ano passado, goza de prestígio com Joachim Löw.
AP Photo/Martin Meissner
AP Photo/Martin Meissner

Andre Schürrle

Schürrle tinha apenas 23 anos quando entrou no lugar de Klose aos 13 minutos do segundo tempo para fazer os últimos dois gols da Alemanha contra o Brasil. O atacante, que era uma espécie de 12º jogador no Chelsea, caiu muito de rendimento nos últimos anos após sua ida ao Wolfsburg, em 2015. Após decepcionar nos Lobos, o atleta acertou sua ida ao Borussia Dortmund um ano depois. Reserva na equipe aurinegra, Schürrle não é convocado para jogos da seleção desde março do ano passado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos