#ForçaEderson 10 jogadores que se curaram do câncer no testículo

Do UOL, em São Paulo

  • Gilvan de Souza / Flamengo

O meia Ederson, do Flamengo, anunciou nesta terça-feira um tumor de testículo. O diagnóstico saiu após um exame antidoping, que apontou quantidade anormal da substância HCG. Por conta do resultado, o jogador foi preventivamente afastado para se submeter ao tratamento, que geralmente envolve intervenção cirúrgica para a retirada do testículo e sessões de quimioterapia.

Segundo o Hospital do Câncer de Barretos, o tumor no testículo é o tipo de câncer mais comum em homens de até 45 anos. Segundo a instituição, no entanto, "há uma grande chance de cura na maior parte dos casos", em especial nos casos de diagnóstico precoce.

O caso do meia do Flamengo, no entanto, não é inédito no futebol. No Brasil e no mundo, o tumor testicular já acometeu outros atletas, incluindo o ala-pivô Nenê, atualmente na NBA, e o ciclista Lance Armstrong, um dos maiores nomes da modalidade.

O UOL Esporte relembra 10 casos de jogadores de futebol que tiveram o mesmo diagnóstico de Ederson, conseguiram se curar e alguns deles, inclusive, puderam retornar aos gramados para continuar a carreira.

Eles sobreviveram

Cristiano Andujar/AGIF
Cristiano Andujar/AGIF

Douglas Friedrich

Revelado pelo Galo/Adap (PR), o goleiro se destacou em times do interior paulista, como Capivariano, Ituano e Bragantino. No entanto, em 2007, quando ainda defendia as categorias de base do time paranaense, recebeu o diagnóstico do tumor. Precisou passar por um tratamento quimioterápico de quase um ano. Em 2016, foi contratado pelo Corinthians, sendo emprestado a Grêmio e Avaí. Em 2017, é um dos destaques do time no Campeonato Brasileiro.
Compartilhe
Stu Forster/Allsport/Getty Images
Stu Forster/Allsport/Getty Images

Carlos Roa

O goleiro da seleção argentina na Copa do Mundo de 1998 recebeu o diagnóstico de câncer de testículo durante a temporada 2003/2004, quando defendia o Albacete no Campeonato Espanhol. Roa também se submeteu a uma cirurgia de extração, e acabou afastado do gramado por um ano para passar por quimioterapia e reabilitação física. Depois de treinar em pequenos clubes da Espanha, voltou aos gramados em 2005 para defender o Olimpo (Argentina). Aposentou-se do futebol em 2006.
Ian MacNicol/AFP Photo
Ian MacNicol/AFP Photo

Jonás Gutierrez

Então no Newcastle, o meia argentino sentiu dores nos testículos durante um jogo contra o Arsenal em maio de 2013. O jogador se submeteu a vários exames, que obtiveram diferentes diagnósticos. Em setembro, uma ultrassonografia apontou um tumor no testículo esquerdo - que decidiu extrair em uma cirurgia na Argentina. No começo de 2014, emprestado ao Norwich, começou a quimioterapia. Em setembro daquele ano, enfim tornou pública a doença. Recebeu alta pouco tempo depois, voltando aos gramados em abril de 2015.
Shaun Botterill/Getty Images
Shaun Botterill/Getty Images

José Francisco Molina

Reforço do Deportivo La Coruña para a temporada 2000/2001, o goleiro anunciou o diagnóstico de câncer testicular em 14 de abril de 2002. A doença obrigou Molina a se afastar dos campos até o final da temporada 2002/2003. Em 2003, voltou aos gramados recuperado e só se aposentou em 2007. Em 2009, iniciou uma carreira de treinador, assumindo o Atlético de Kolkata (Índia) em 2017.
Ben Radford/Allsport/Getty Images
Ben Radford/Allsport/Getty Images

Alan Stubbs

O zagueiro era um dos destaques do Celtic quando, após um exame antidoping após a final da Copa da Escócia de 1999, descobriu o tumor no testículo. Análises complementares detectaram a presença do câncer em estágio inicial já em outros órgãos. Stubbs então começou a realizar o tratamento. Resultado: em março de 2000, dez meses após o diagnóstico, entrou em campo na final da Copa da Liga Escocesa para ajudar o Celtic a conquistar o título diante do Aberdeen. "Passei pela quimioterapia, voltei e joguei de novo. Pode ser feito. Existe vida após o câncer", disse Stubbs em 2015 ao jornal Daily Mail.
Gary M. Prior/Getty Images
Gary M. Prior/Getty Images

Lyuboslav Penev

Atacante de destaque na seleção da Bulgária na primeira metade da década de 1990, quando defendia o Valencia, teve diagnosticado um câncer no testículo no início de 1994. A doença acabou custando a ele a vaga na Copa do Mundo do mesmo ano. No entanto, o processo de recuperação permitiu que Penev disputasse a Eurocopa de 1996 e a Copa do Mundo de 1998. Aposentado dos gramados em 2002, tornou-se treinador em 2009, tendo comandado a seleção búlgara entre 2011 e 2014.
Mike Hewitt/Allsport/Getty Images
Mike Hewitt/Allsport/Getty Images

Jason Cundy

Defensor de relativo sucesso no início da década de 90, quando passou por Chelsea e Tottenham, o inglês (ao centro) chegou ao Ipswich Town em 1996. Em fevereiro do ano seguinte, aos 27 anos, sentiu rigidez em um dos testículos. O diagnóstico: câncer. Em pouco tempo, passou por uma cirurgia de remoção do órgão - exames posteriores confirmaram um tumor maligno. Aposentado dos gramados desde 2000, tornou-se patrono de uma instituição de combate ao câncer, e afirma que o humor ajudou a encarar a doença. "Sou um jogador com uma bola só - e, como tal, alvo de muitas piadas", brincou Cundy em artigo ao jornal Daily Mail.
Matthew Lewis/Getty Images
Matthew Lewis/Getty Images

Matt Duke

Contratado pelo Hull City para a temporada 2004/2005, ganhou a vaga de goleiro titular do time apenas na temporada 2007/2008. No fim de 2007, porém, descobriu um tumor em um dos testículos. No começo de 2008, sem perder tempo, passou por uma cirurgia para a remoção do órgão. Recuperado, voltou aos gramados no final de março. Por conta da doença, em junho do mesmo ano, participou de uma corrida promocional em Londres - o evento levantou fundos para o combate ao câncer.
Chris Lobina/Allsport/Getty Images
Chris Lobina/Allsport/Getty Images

Neil Harris

Destaque o Millwall no final da década de 90, levou o time ao título da segunda divisão inglesa na temporada 2000/2001 - na mesma temporada, marcou 27 gols e foi o artilheiro do torneio. No entanto, em junho de 2001, foi diagnosticado com um câncer no testículo. O diagnóstico levou o atacante a lançar uma ação de caridade para levantar fundos no combate à doença. Em 2002, segundo os médicos, estava curado. Aposentado dos gramados em 2013, tornou-se técnico do próprio Millwall em 2015.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos