Jejum de títulos, premiação maior e veteranos. O que esperar do Paulistão

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

O 115º Campeonato Paulista da história terá início neste sábado, com a disputa de seis partidas. Alvo de críticas por conta da quantidade de jogos -- serão 15 rodadas na primeira fase, até as quartas de final --, a tradicional competição começará mais uma vez em xeque.

O Paulistão, entretanto, pode ser tornar atrativo para os clubes. A possibilidade está ligada, entre outras coisas, à premiação. O valor total passou de R$ 6,4 milhões para R$ 9,8 milhões, com acréscimo de 53,1%. O campeão estadual embolsará R$ 4 milhões, contra R$ 1,5 milhão do vice e R$ 1 milhão do terceiro colocado -- o restante, R$ 3,3 milhões, será dividido entre 11 equipes (somente os seis rebaixados não irão receber). 

Além disso, os quatro grandes terão objetivos específicos no campeonato (veja abaixo). Já os times pequenos tentarão repetir a façanha de Inter de Limeira (1986), Bragantino (1990), São Caetano (2004) e Ituano (2014), que conseguiram erguer a taça mesmo com os gigantes na disputa (em 2002, o Ituano foi campeão em uma edicão sem os grandes). Alguns desses times pequenos contarão ainda com reforços bem conhecidos do torcedor.

AFP / Gregg Newton
AFP / Gregg Newton

Corinthians tem a chance de entrosar equipe

O time alvinegro perdeu cinco jogadores da equipe campeã brasileira: Gil, Ralf, Jadson, Renato Augusto e Vagner Love foram negociados pela diretoria. O clube, em contrapartida, contratou o volante Williams, o meia-atacante Guilherme, o zagueiro Vílson, o lateral esquerdo Moisés, o meia Marlone e o atacante Alan Mineiro. Caberá ao técnico Tite reinventar o time corintiano para chegar ao principal objetivo na temporada: o bi da Libertadores. O Corinthians fará quatro partidas no Paulistão até a estreia na competição continental.
Cesar Greco/Ag Palmeiras
Cesar Greco/Ag Palmeiras

Palmeiras busca apagar trauma do vice estadual de 2015

No ano passado, a equipe palmeirense voltou a disputar uma final do Paulistão depois de seis edições do campeonato. Na decisão, o Palmeiras, totalmente reformulado, acabou derrotado pelo Santos nos pênaltis. A busca pelo título também ganhou importância após as declarações do presidente Paulo Nobre. Após o título da Copa do Brasil, o mandatário alviverde disse que todas as competições de 2016 teriam a mesma importância. O clube ainda pode ver o Santos e o São Paulo chegarem ao mesmo número de títulos estaduais dele (22).
Ricardo Nogueira/Folhapress
Ricardo Nogueira/Folhapress

Santos pode chegar a vice-liderança do Estado pela primeira vez

Com seis títulos nas últimas dez edições, o clube soma 21 conquistas estaduais. A arrancada santista possibilitou ao time empatar em número de taças com o São Paulo e ficar a apenas uma do Palmeiras. Se voltar a dar a volta olímpica, o Santos ficará na segunda posição no Estado, só atrás do Corinthians (27) -- isso ocorreria pela primeira vez na história. Nem na década de 1960 isso aconteceu. Em 1969, o Palmeiras somava 15 títulos, mesmo número do Corinthians. O Santos, por sua vez, tinha 12.
AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE
AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE

São Paulo tenta encerrar jejum de 10 anos

Se o Santos conseguiu conquistar seis títulos nos últimos anos, o São Paulo faz o caminho contrário. O time não consegue ser campeão estadual desde 2005, no terceiro maior jejum da sua história na competição -- o maior deles ocorreu entre 1957 e 1970, enquanto o segundo se deu entre 1931 e 1943. Além disso, a conquista do Paulistão e a premiação de R$ 4 milhões ajudará o clube a amenizar a crise financeira, que se agravou nos últimos dois anos.
Rodrigo Capote/Uol
Rodrigo Capote/Uol

Azarões contra a força dos quatro grandes

O objetivo de 16 clubes é repetir a feito do Ituano, que em 2014 derrotou o Santos na final, mesmo com as duas partidas no Pacaembu. No ano passado, os grandes não deram chances aos adversários ao chegarem na semifinal. Botafogo-SP, Ponte Preta, Red Bull e XV de Piracicaba chegaram às quartas de final. O time de Ribeirão Preto chegará embalado à competição após a conquista do Brasileirão da Série D. Já a Ponte Preta vem de uma campanha regular na elite do Campeonato Brasileiro -- a equipe de Campinas terminou a competição com 51 pontos, na 11ª posição.
Wiliam Lima/Divulgação/Novorizontino
Wiliam Lima/Divulgação/Novorizontino

Estadual com veteranos nos times pequenos: fique de olho neles

O Paulistão 2016 também será marcado pela presença de jogadores experientes nas equipes menores. A Ponte Preta, por exemplo, contará com o atacante Wellington Paulista. Já o São Bernardo tem o meia Cañete à disposição. Nunes, centroavante com passagens por Santo André e Guarani, defenderá o Botafogo-SP. Já Anderson Aquino, ex-Coritiba, atuará pelo Linense. O meia Moraes jogará o Paulistão pelo São bento, enquanto Richarlyson entrará em campo pelo Novorizontino. Amaral, aos 42 anos, vestirá a camisa do Capivariano. Completam a lista Heverton, pivô do rebaixamento da Portuguesa, que acertou com o XV de Piracicaba, e Patrik, ex-Palmeiras, que irá defender o Oeste.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos