Onde estão os craques da Nigéria que chocaram o Brasil há 21 anos?

Colaboração para o UOL

  • David Cannon/Getty Images

No dia 31 de julho de 1996, há exatos 21 anos, a seleção brasileira sofria uma derrota que é lamentada até hoje. Na semifinal olímpica, depois de estar vencendo a Nigéria por 3 a 1, o time de Ronaldo, Roberto Carlos e companhia permitiu o empate e foi eliminado na morte súbita. O Brasil ficaria com o bronze, e os africanos levariam o ouro depois de vencer a Argentina na final. Aquela geração nigeriana já havia surpreendido o mundo na Copa de 1994, e voltaria a aprontar em 1998. Hoje em dia, alguns deles seguem dando o que falar.  

Nwankwo Kanu: filantropia e agência de modelos

Autor de dois gols na vitória sobre o Brasil por 4 a 3 na semifinal em Atlanta, o ex-atacante do Arsenal só se aposentou em 2012, jogando pelo Portsmouth. Ao longo da carreira, ele superou um sério problema cardíaco, o que o incentivou a criar a Kanu Heart Foundation, instituição filantrópica que ajuda crianças africanas com doenças no coração. Em 2015, Kanu ainda abriu uma agência de modelos na Nigéria, que levou o nome de Papillo, seu apelido nos tempos de jogador.
Reprodução
Reprodução

Taribo West: o ex-bruxo que virou pastor

O zagueiro conhecido pelas tranças exóticas abriu em 2014 sua própria igreja: o Ministério dos Milagres de Todas as Nações Abrigo na Tempestade. Antes de ser pastor, porém, ele era praticante de juju, um tipo de bruxaria. Chegava a levar amuletos para os jogos. Até que sua irmã foi visitá-lo e teve visões estranhas em sua casa. Foi quando West se converteu e passou a pregar a palavra, ainda nos tempos em que jogava no Milan, em 2000.

Jay-Jay Okocha: peladas e caridade

O habilidoso meia que encerrou a carreira em 2008 no Hull City lançou no ano passado a Jay-Jay Okocha Foundation, com a proposta de promover a educação através do futebol. Mas ele tem chamado atenção mesmo é com a bola nos pés: aos 43 anos, não perdeu a habilidade. Jogou tão bem na pelada do Eto?o que o camaronês pediu a sua substituição, afinal, estava jogado no time adversário. Okocha é o capitão da Nigéria no Star Sixies, uma espécie de Copa do Mundo de showbol com ex-jogadores das seleções. O time ainda tem nomes como West, Babayaro, Amokachi e Lawal.
SundayOliseh.tv
SundayOliseh.tv

Sunday Oliseh: trauma como técnico da Nigéria

O volante que ficou no banco naquele jogo histórico contra o Brasil tentou seguir carreira como treinador, mas sua experiência à frente da seleção nigeriana não foi das melhores. O presidente da federação o apresentou como o ?Guardiola africano? e anunciou seis meses de salário adiantado. Só que ele não recebeu. Para piorar, sequestradores acharam que ele estava rico e tentaram raptar um parente. No ano passado, ele divulgou um desabafo justificando sua demissão, revelando que sofreu uma anomalia misteriosa que o fez perder sete quilos durante os últimos quatro meses no cargo. E que, se não fosse diagnosticado a tempo, poderia sofrer um colapso fatal.
Compartilhe
Reprodução
Reprodução

Tijani Babangida: olheiro e lenda do PES

Um dos desentendimentos de Oliseh com a federação nigeriana foi causado pela demissão do seu assistente, Tijani Babangida, que era seu fiel escudeiro e foi demitido sem maiores explicações. Depois disso, Babangida passou a trabalhar como olheiro para empresários interessados em novos talentos nigerianos. Sua carreira de jogador durou até 2004, quando passou um ano na China após deixar o Ajax. O ex-atacante ficou conhecido como o mais veloz da história do Pro Evolution Soccer, e voltou ao game como jogador lendário.
Getty Images
Getty Images

Emmanuel Amunike: técnico na base da Nigéria

Se Oliseh não conseguiu ficar à frente da seleção, o ex-meia-atacante Amunike teve algum sucesso como comandante das seleções de base. Depois de comandar a Nigéria Sub-17 rumo ao título mundial em 2013, ele assumiu o time sub-20. Mas não conseguiu a classificação para a Copa Africana da categoria: depois da eliminação contra o Sudão, ele reclamou da falta de pagamento e de condições mínimas para o time. Concluiu o curso de treinadores da Uefa e tentou a sorte fora da Nigéria, mas não conseguiu nenhuma proposta e seguiu como técnico do sub-17.
AFP
AFP

Daniel Amokachi: desafio como técnico na Europa

Depois de ser assistente e interino da seleção da Nigéria, o ex-atacante assumiu o desafio de comandar o JS Hercules, da terceira divisão da Finlândia. Trocou os 35 graus da Nigéria pelos 35 graus negativos de Oulu, cidade próxima ao Círculo Polar Ártico. E se deu bem: logo na primeira temporada, o time subiu para a segunda divisão. Em entrevista ao site da Fifa, ele revelou que seu objetivo é ?abrir portar para os técnicos africanos na Europa?.
Getty Images
Getty Images

Celestine Babayaro: processo e falência

Em 1999, na época em que ainda jogava no Chelsea, o lateral esquerdo foi acusado de abuso sexual por uma mulher de 20 anos, mas acabou sendo absolvido. Apesar do alto salário que ganhou ao longo dos 11 anos atuando no futebol inglês, Babayaro declarou falência em 2011, três anos após a aposentadoria. Segundo a imprensa nigeriana, ele teve problemas financeiros porque gastava muito em festas e itens exóticos.
Getty Images
Getty Images

Garba Lawal: treinador e cartola

O versátil meio-campo daquela geração de ouro passou a maior parte da carreira no futebol holandês e se aposentou em 2012, como jogador e treinador do time nigeriano Lobi Stars. Depois, virou assistente técnico do time, e chegou a trabalhar como coordenador da seleção sub-17 da Nigéria. Desde 2014, é o presidente do Kaduna United, equipe de sua cidade natal.
Getty Images
Getty Images

Joseph Dosu: acidente trágico

A carreira do goleiro foi abreviada em 1997, um ano após a conquista em Atlanta, por causa de um grave acidente de carro em Lagos, na Nigéria. Ele escapou de ficar paralítico, mas foi obrigado a se aposentar aos 23 anos, quando estava no auge da carreira e tinha recém-chegado ao futebol italiano, contratado pela Reggiana. Em 2009, voltou ao esporte, mas desta vez como comentarista de TV e responsável pela Westerloo Football Academy, que ensina futebol para crianças na capital nigeriana.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos