Relembre as 5 substituições mais decisivas do futebol em 2017

Do UOL, em São Paulo

Quando um time faz uma substituição, o torcedor às vezes nem percebe quem entrou ou saiu. Se perceber, pode ser que comece a xingar o técnico de burro. Mas, dependendo do jogador, pode ser uma injeção de esperança para resolver um jogo complicado. Os cinco reservas a seguir certamente superaram todas as expectativas e viraram heróis improváveis de seus times em 2017.

AP Photo/Emilio Morenatti
AP Photo/Emilio Morenatti

1. Sergi Roberto

Em março, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, o Barcelona vencia o PSG por 3 a 1 e precisava de mais três gols para avançar. Aos 30 minutos do segundo tempo, o técnico Luis Enrique fez uma alteração no meio-campo que não deve ter chamado atenção dos torcedores: tirou Rafinha e colocou Sergi Roberto. Nada mudou por causa disso. Até que, aos 43, Neymar fez o quarto e, logo em seguida, o quinto. No último lance, Neymar lançou a bola para a área: era tudo ou nada. E quem estava lá para marcar? Ele, Sergi Roberto, o elemento surpresa que passou nas costas da zaga e virou o talismã da virada épica do Barcelona.
REUTERS/Diego Vara
REUTERS/Diego Vara

2. Cícero

Era um jogo tenso na Arena do Grêmio. No primeiro tempo da decisão da Libertadores, o Lanús quase abriu o placar. No segundo, aos 26 minutos, Renato Gaúcho tirou o volante Jailson e pôs o meia Cícero. Depois de ser dispensado pelo São Paulo, ele assinou um contrato de apenas três meses com o Grêmio e ganhava a chance de terminar o ano por cima. Afinal, em uma decisão, tudo pode acontecer. E aconteceu. Aproveitando o passe de cabeça de Jael - que também saiu do banco -, Cícero desviou de pé esquerdo e fez o gol da vitória gremista. Foi o primeiro passo da conquista do tri da América.
Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

3. Everton

Na semifinal do Mundial de Clubes, Renato Gaúcho voltou a mostrar que tem estrela. O jogo contra o Pachuca estava truncado, e o empate sem gols levou à prorrogação. Bem antes, aos 26 minutos do segundo tempo, o atacante Everton entrou no lugar do meia Michel. Ao longo da temporada, Everton já tinha decidido outros jogos saindo do banco de reservas. E foi dele o gol do alívio, logo aos quatro minutos do tempo extra. Um golaço que garantiu ao Grêmio a vaga na final contra o Real Madrid.
Mácio Cunha/Estadão Conteúdo
Mácio Cunha/Estadão Conteúdo

4. Túlio de Melo

Última rodada do Brasileirão. Ainda com chances de ir para a Libertadores, a Chapecoense recebeu o desesperado Coritiba, que lutava contra o rebaixamento. Kléber abriu o placar para o Coxa, Elicarlos empatou ainda no primeiro tempo. Aos 31 do segundo, Gilson Kleina trocou um atacante por outro: Túlio de Melo no lugar de Wellington Paulista. Só que ninguém imaginava que ele seria o autor de um gol triplamente decisivo: definiu a classificação da Chape à Libertadores, o rebaixamento do Coritiba e a permanência do Vitória na Série A. Detalhe: no último lance do jogo.
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

5. Giovanni Augusto

Ele estava há mais de um ano sem fazer gols e era um dos mais questionados do elenco. Mas a vitória que deixou o Corinthians a dois passos do paraíso no Brasileirão saiu dos pés dele. O time não fazia um bom jogo fora de casa contra o Atlético-PR. Walter, substituto de Cássio, já tinha defendido um pênalti. No segundo tempo, aos 19 minutos, o técnico Fábio Carille tirou Clayson e deu uma chance para Giovanni Augusto. E ele precisou de 12 minutos para marcar o gol da vitória. Pela primeira vez, o Corinthians vencia duas seguidas no segundo turno. Duas rodadas mais tarde, confirmaria o heptacampeonato brasileiro.
Claudio Villa/Getty Images
Claudio Villa/Getty Images

BÔNUS: Insigne

Na verdade, foi uma "não substituição" marcante. Com a Itália precisando do gol contra a Suécia para ir à Copa, o técnico Giampiero Ventura pediu para o volante Daniele de Rossi (foto) aquecer. Ele próprio se recusou, apontando para o atacante Lorenzo Insigne. Nenhum dos dois entrou em campo. O treinador colocou três atacantes: Bernardeschi, Belotti e El Shaarawy. Mas ninguém entendeu por que Insigne, em grande fase no Napoli, ficou fora daquela partida. Muito menos De Rossi, que anunciou aposentadoria depois do fracasso italiano.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos