Domingo 24/04/2016 - 16:00

Arena Amazônia, Manaus

2
Vasco Vasco
  • Wallace
  • Andrezinho
Pós-jogo
0
Flamengo Flamengo

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Fases do jogo

  • Primeiro tempoA semifinal começou quente. Logo na entrada em campo, o Flamengo quebrou o protocolo e não esperou o Vasco. Os jogadores saudaram a torcida e o zagueiro Wallace chegou a fincar uma bandeira do clube no gramado. A atitude já antecipou os ânimos exaltados. Aos 3min, Wallace e Nenê trocaram empurrões e foram punidos com o cartão amarelo. Guerrero e Diguinho também se estranharam. A partida ficou amarrada até aos 21min. Riascos entortou César Martins duas vezes, cruzou e Nenê chutou em cima de Wallace. O próprio zagueiro afastou para a entrada da área e Andrezinho chutou para abrir o placar a favor do Vasco. Guerrero tentou empatar para o Flamengo na sequência e parou em Martín Silva. Aos 41min, Rodinei cruzou e Guerrero demorou a chegar para concluir. A primeira etapa terminou com superioridade vascaína diante de um Rubro-negro perdido na marcação e na criação de jogadas.
  • Segundo tempoComo não poderia ser diferente, o Flamengo voltou para o segundo tempo tentando partir para cima do Vasco. Em desvantagem, o time precisava da vitória para chegar à final. O Cruzmaltino se posicionou para explorar os contra-ataques e garantir a classificação ao ampliar o placar. Foi o que aconteceu. Aos 11min, Riascos recebeu e chutou em cima de Paulo Victor. A bola bateu em Wallace e entrou. Apesar do gol contra, a arbitragem deu o tento para o colombiano. A partir daí, o Vasco apenas administrou o resultado diante de um Flamengo desanimado e mais uma vez batido em um jogo decisivo. Festa cruzmaltina e expectativa pela conquista do bicampeonato carioca.

Destaques

  • RiascosO colombiano teve grande atuação e participou das principais jogadas ofensivas do Vasco. Ele foi fundamental no gol de Andrezinho ao entortar o zagueiro César Martins duas vezes consecutivas e ainda chutou para o segundo tento cruzmaltino, marcado por Wallace (contra), mas dado a ele pela arbitragem.
  • Rivalidade à flor da peleA semifinal foi quente desde a entrada dos times em campo. O Flamengo quebrou o protocolo e não esperou o Vasco. Wallace fincou a bandeira do clube no gramado e irritou os cruzmaltinos. Com a bola rolando, discussões, empurrões e disputas deram o tom do clássico.

Próximos Jogos - Vasco

  1. Vasco VAS
    Nova Iguaçu NIG
  2. Cabofriense CAB
    Vasco VAS
  3. Flamengo FLA
    Vasco VAS
  4. Universidad de Concepción UCO
    Vasco VAS
  5. Vasco VAS
    Volta Redonda VRE

Próximos Jogos - Flamengo

  1. Avaí AVA
    Flamengo FLA
  2. Flamengo FLA
    Cabofriense CAB
  3. Flamengo FLA
    Bangu BAN
  4. Flamengo FLA
    Vasco VAS
  5. Nova Iguaçu NIG
    Flamengo FLA

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos