Quarta-feira 06/04/2016 - 21:45

El Campín, Bogotá

5ª rodada

1
Ind. Santa Fe Ind. Santa Fe
  • Antony Otero
Pós-jogo
1
Corinthians Corinthians
  • Elias

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Para lembrar

  • O primeiro gol em 2016Elias, de fora de boa parte do início de temporada por lesão, fez seu primeiro gol em momento crucial
  • Coldplay mudou programaçãoA partida contra o Santa Fe mudou de data em função de show do Coldplay. Assim, foi antecipado de 13 para 6 de abril
  • Ex-comentarista perde 100% de aproveitamentoAlexis García, novo treinador do Santa Fe, tinha três vitórias em três jogos em substituição a Gerardo Pelusso

Fases do Jogo

  • Primeiro tempoTrês dias depois de perder clássico para o Palmeiras em que jogou abaixo da média, o Corinthians reencontrou dificuldades em Bogotá. O Santa Fe neutralizou laterais e meio-campistas corintianos e criou as jogadas de maior perigo. Em 45 minutos, o time de Tite teve uma finalização. Os colombianos fizeram várias jogadas combinadas pelos lados e assustaram. Na melhor delas, Otávaro cruzou e Anchico bateu próximo da trave. Em outra, um gol ilegal foi bem anulado pela arbitragem em falta lateral. Mas foi Otero, livre após conclusão de Gordillo que explodiu na trave, quem abriu o marcador com justiça.
  • Segundo tempoA equipe corintiana evoluiu após o intervalo, também porque a pressão do Santa Fe na bola diminuiu e os jogadores tiveram nova atitude, uns mais próximos dos outros. Lucca, figura apagada em quase todo o tempo, foi quem chamou a atenção com um chute forte que bateu no travessão. Era a senha para o crescimento corintiano, confirmado com bonito gol de Elias em passe de Guilherme. O volante, livre na área, se infiltrou e bateu com perfeição. Nos minutos finais, o time rival pressionou bastante, mas Tite guardou bem a defesa e Cássio mostrou segurança para assegurar o 1 a 1.

Melhor e pior

  • FagnerO lateral corintiano foi responsável por muitas jogadas boas e um dos mais inspirados na Colômbia
  • AndréNova jornada ruim do centroavante que vem em queda de produção desde cartão vermelho no Paraguai

Próximos Jogos - Corinthians

  1. Corinthians COR
    Vitória VIT
  2. Chapecoense CHA
    Corinthians COR
  3. Corinthians COR
    Atlético-GO ACG
  4. Santos SAN
    Corinthians COR
  5. Corinthians COR
    Racing Club RAC

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos