Terça-feira 15/03/2016 - 20:30

Mineirão, Belo Horizonte

7ª rodada

3
Cruzeiro Cruzeiro
  • Ariel Cabral
  • Lucas Romero
  • Bruno Rodrigo
Pós-jogo
0
Uberlândia Uberlândia

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Fases do jogo

  • Primeiro tempoDiferente das últimas partidas, o Cruzeiro mostrou um apetite pelo gol desde o início, jogando melhor, pressionando o adversário e criando com mais frequência. O que não mudou foi só a concentração excessiva de ataque pelo lado esquerdo, explorando bastante as descidas com Alisson, Miño e Cabral. Mesmo assim, foi de lá que saiu o gol de Bruno Rodrigo, testando firme, após o levantamento de Alisson. Gol que fez jus à equipe que mais procurou balançar as redes, carimbou a trave e ainda resgatou a jogada aérea, famosa nas campanhas do bicampeonato brasileiro. Com dificuldades para sair, o Uberlândia pouco ameaçou e resumiu a primeira etapa em três chegadas, todas fora da meta de Fábio.
  • Segundo tempoCom dez minutos, o Cruzeiro conseguiu a folga que pretendia. Wendel subiu com o braço levantado na área e o juiz deu pênalti. Do banco, Deivid indicou Lucas Romero como batedor. O argentino finalizou rasteiro na parte lateral do gol, sem chances para o goleiro, que até adivinhou o canto. A noite estava tão feliz para os anfitriões que até Arial Cabral, segundos antes de ser substituído, deixou sua marca e anotou o terceiro gol, aproveitando o rebote. No fim, o Uberlândia ainda viu seu atleta Wendel levar o vermelho direto. 3 a 0 placar final.

Destaques

  • Cobra quem treina melhorNem Alisson, tampouco Arrascaeta. No lance do pênalti marcado por Lucas Romero, a ordem para o batedor saiu do banco. Utilizando o critério de melhor aproveitamento nos treinos, Deivid indicou que o argentino deveria cobrar a penalidade.
  • Reconhecimento das arquibancadasApesar da invencibilidade no estadual, o desempenho do Cruzeiro no início de ano ainda não estava agrada seu torcedor. Mas desta vez foi diferente, e o time deixou o Mineirão debaixo de aplausos da torcida.
  • Clássicos na capitalO jogo contra o Uberlândia foi o primeiro de uma trinca de partidas dentro de Belo Horizonte. Assim como a equipe do triângulo, os próximos dois confrontos serão contra clubes que brigam na parte de cima: Villa Nova, no Mineirão, e o rival Atlético-MG, no Independência.

Melhor em campo

  • Lucas Romero, do CruzeiroVários jogadores poderiam ser indicados como melhor em campo, mas o argentino autor de um dos três gols jogou durante os 90 minutos e terminou a partida como destaque celeste.

Próximos Jogos - Cruzeiro

  1. Cruzeiro CRU
    Sport SPT
  2. Cruzeiro CRU
    Grêmio GRE
  3. Cruzeiro CRU
    Santos SAN
  4. Chapecoense CHA
    Cruzeiro CRU
  5. Cruzeiro CRU
    Bahia BAH

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos