Domingo 20/03/2016 - 18:30

Mário Helênio, Juiz de Fora

8ª rodada

0
Tupi Tupi
Pós-jogo
3
Atlético-MG Atlético-MG
  • Lucas Pratto
  • Robinho
  • Robinho

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Fases do Jogo

  • 1º TempoSe na quarta-feira, contra o Colo-Colo, o Atlético apresentou uma intensidade de jogo que impressionou, contra o Tupi a postura do time foi um pouco diferente. Apesar de contar com praticamente todo o time que começou o jogo passada, pela Libertadores, a equipe da capital marcou logo no começo, aos 15 minutos, com Lucas Pratto, após ótima assistência de Juan Cazares. Com mais posse de bola, mas menos agudo, o Atlético controlou mais a partida. Mesmo assim quase que Pratto marcou outro gol, mas parou em Glaysson, aos 29 minutos. A resposta do Tupi aconteceu dois minutos depois, na grande chance da equipe de Juiz de Fora, com chute de Wiliam Kozlowski de fora da área e ótima defesa de Giovanni.
  • 2º TempoMesmo com Robinho em campo, o Atlético não mudou a maneira de jogar. Muita troca de passes e poucas finalizações. Ao contrário do Tupi, que antes dos cinco minutos arriscou duas vezes de fora da área. Mas a grande chance foi com Vinícius Kiss, que arrancou do campo de defesa e só parou em Giovanni, que teve outra grande atuação. Se o Atlético seguia com dificuldades para criar, o Tupi de vez em quando chegava com perigo, como aos 28, em cabeçada de Hiroshi que foi para fora.No minuto seguinte o Atlético chegou com perigo, mas Glaysson fez grande defesa em cabeçada de Tiago. Aos 30 um lance preocupante. Giovanni saiu nos pés de Vinícius Kiss e se machucou depois de fazer a defesa. O jogo ficou cinco minutos parado, até que Uilson entrasse no lugar de Giovanni. Passado o susto, o Atlético definiu o jogo com gol de Robinho, após belo passe de Carlos César. O próprio Robinho, já aos 50 minutos, marcou o terceiro gol do Atlético.

Destaques

  • De olho em PatricEnquanto a delegação do Atlético seguia para Juiz de Fora, para o jogo com o Tupi, o lateral direito Patric passava por uma artroscopia no joelho esquerdo. A operação foi bem sucedida e o jogador teve alta no início da noite de domingo. Nos próximos dias Patric retorna à Cidade do Galo para inicia o trabalho na fisioterapia.
  • Jogo para testesApesar de precisar da vitória para não depender de outros resultados para terminar a primeira fase do Mineiro na liderança, o técnico Diego Aguirre usou a partida contra o Tupi para fazer alguns testes. Um deles foi a presença de Carlos César na lateral esquerda, com Douglas Santos ficando no banco de reservas. O treinador atleticano aproveitou o jogo em Juiz de Fora para fazer observações, já que vai ter uma série de desfalques para o clássico com o Cruzeiro, no próximo domingo.
  • Sai para lá, mosquitoUma campanha de combate à dengue levou para dentro do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio uma pessoa fantasiada de mosquito. E Robinho tratou o assunto com humor, já que ficou fora de duas partidas do Atlético por causa de uma picada de inseto. "Assustou, achei que ia fazer brincadeira comigo. Mas deixa ele bem longe de mim, quero é jogar", brincou o camisa 7 do Atlético, que entrou depois do intervalo.
  • ObservaçãoGiovanni deixou o jogo após receber uma pancada de Vinícius Kiss. O goleiro do Atlético até tentou permanecer na partida, mas a decisão do médico atleticano, Otaviano Oliveira prevaleceu e o camisa 20 deu lugar a Uilson. O problema de Giovanni foi no olho direito e somente após realização de exames, em Belo Horizonte, que o departamento médico do Atlético vai poder falar sobre a presença de Giovanni no clássico ou não.

Melhores

  • Giovanni, Atlético-MGPelo segundo jogo consecutivo o reserva de Victor foi destaque do Atlético. Boas defesas nas duas etapas, o goleiro se machucou justamente por estar bem jogo. Após boa interceptação, Giovanni levou uma pancada na cabeça de teve de ser substituído.
  • Carlos César, Atlético-MGLateral direito de origem, Carlos César teve de atuar improvisado na lateral esquerda, já que se tornou uma opção para Diego Aguirre, que não vai poder contar com Douglas Santos e nem com Patric para o clássico com o Cruzeiro. Carlos César foi muito bem, inclusive com a assistência para o gol de Robinho.

Piores

  • Michel Henrique , TupiO centroavante do Tupi não teve uma jornada feliz. Praticamente não incomodou a defesa atleticana e não participou das melhores jogadas de ataque da sua equipe.

Próximo Jogo - Tupi

  1. Botafogo-SP BOT
    Tupi TUP

Próximo Jogo - Atlético-MG

  1. Ponte Preta PON
    Atlético-MG CAM

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos