1. Capivariano CPV
    Red Bull Brasil RED
  2. Ituano ITU
    Linense-SP LIN

Quarta-feira 03/02/2016 - 21:45

Moisés Lucarelli, Campinas

2ª rodada

0
Ponte Preta Ponte Preta
Pós-jogo
2
Santos Santos
  • Ricardo Oliveira
  • Gabriel

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Fases do jogo

  • Primeiro tempoO Santos começou o jogo cometendo os mesmo erros da partida de estreia no Paulistão, quando empatou com São Bernardo na Vila Belmiro. O time de Dorival Júnior apostava nos lançamentos, a maioria deles interceptados pelos defensores da Ponte Preta. No entanto, após tomar um susto ao ver a Ponte marcar um gol anulado pela arbitragem, a equipe santista abriu o marcador com o artilheiro Ricardo Oliveira. O destaque da jogada ficou por conta de Gabriel Barbosa, que recebeu a bola na entrada da área, levantou a cabeça e cruzou nos pés do camisa 9, que tocou para o gol praticamente sem goleiro. A Ponte Preta só foi assustar o goleiro Vanderlei aos 31 minutos, quando Clayson arriscou chute da entrada da área. A bola passou perto da trave. Mas foi a equipe santista que balançou as redes novamente. Aos 37 minutos, Lucas Lima sofreu pênalti, e Gabriel cobrou para fazer 2 a 0. A Ponte ainda acertou uma cabeçada na trave, enquanto o Santos quase marcou mais um gol com Lucas Lima, que chutou rasteiro e a bola passou perto da trave.
  • Segundo tempoA Ponte Preta melhorou, foi mais ofensiva, mas expôs a falta de qualidade técnica de seus atletas. Clayson, Rhayner, João Victor, Felipe Azevedo e Alexandro abusaram dos erros nas finalizações. Quando acertou o gol, caso de Alexandro em cabeçada, Vanderlei fez uma ótima defesa. O Santos apostou nos contra-ataques e quase ampliou com Paulinho, que chutou de dentro da área e acertou o travessão da Ponte Preta.

Destaque

  • Fugindo do vestiárioPor causa do forte calor no vestiário visitante do estádio Moisés Lucarelli, o Santos resolveu realizaram a conversa do intervalo no gramado. As entrevistas coletivas também foram realizadas no campo.

Melhores

  • Gabriel Barbosa, SantosO camisa 10 foi responsável por uma linda assistência para o gol de Ricardo Oliveira, marcou o segundo gol do Santos em cobrança de pênalti. Além disso, Gabigol prendeu bem a bola no ataque e apanhou bastante do adversário em campo.

Piores

  • Clayson, Ponte PretaO atacante quase não participou do jogo. Não ajudou na marcação, finalizou mal quando teve uma oportunidade e foi substituído no intervalo.

Próximos Jogos - Ponte Preta

  1. Ponte Preta PON
    Linense-SP LIN
  2. Ponte Preta PON
    Santos SAN
  3. São Bento SBE
    Ponte Preta PON
  4. Ituano ITU
    Ponte Preta PON
  5. Nacional-AM NFC
    Ponte Preta PON

Próximos Jogos - Santos

  1. Santos SAN
    Internacional INT
  2. Santos SAN
    Bragantino BRG
  3. Ponte Preta PON
    Santos SAN
  4. Santos SAN
    Ituano ITU
  5. Palmeiras PAL
    Santos SAN

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos