Topo

Atlético-MG


Atlético-MG adota cautela após "não" de Ceni, e sequência a interino agrada

Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
Rodrigo Santana, técnico interino do Atlético-MG, ganha mais tempo à frente do elenco Imagem: Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

2019-04-24T18:58:01

24/04/2019 18h58

As negativas de Tiago Nunes, Jorge Sampaoli e Rogério Ceni fizeram o Atlético-MG parar momentaneamente a busca por um novo treinador. O diretor de futebol Rui Costa trabalhará com ainda mais cautela para encontrar o substituto de Levir Culpi, demitido ainda no início do mês. Rodrigo Santana ganha, desta forma, mais tempo para mostrar o trabalho, o que agrada ao elenco.

O interino será o comandante da equipe diante do Avaí, depois de amanhã, às 19h (de Brasília), no Independência. Há dois fatores que contribuem para isso: a diretoria quer evitar mais um desgaste de sua imagem com a torcida por conta das recentes negativas dos treinadores e há um movimento favorável à manutenção de Santana no plantel.

O primeiro aspecto que incomoda é o excesso de recusas públicas ao clube. Desde a demissão de Levir Culpi, em 11 de abril passado, pelo menos três nomes foram procurados e disseram "não" ao diretor de futebol Rui Costa.

Tiago Nunes, do Athletico Paranaense, foi o primeiro a rejeitar uma mudança para a Cidade do Galo. Na sequência, foi a vez de Jorge Sampaoli negar um convite. O argentino do Santos, na verdade, nem sequer aceitou abrir conversas. Por último, foi a vez de Rogério Ceni dar uma resposta negativa a Rui Costa. O ex-goleiro do São Paulo foi procurado depois de ganhar o Campeonato Cearense com o Fortaleza. A espera durou três dias até o técnico se recusar a assumir o clube.

As respostas negativas fizeram a diretoria se desgastar com a torcida atleticana. Com receio de aumento da cobrança, a cúpula prefere trabalhar com cautela para definir o novo alvo.

A nova estratégia da diretoria atende um pedido de parte do elenco. Alguns líderes são favoráveis à sequência do trabalho de Rodrigo Santana. É um consenso entre os principais nomes que o Galo está mais organizado depois da demissão de Levir Culpi.

"A gente estava tranquilo, pelo menos nos últimos três jogos. A gente sabia o que fazer, o time soube se posicionar bem, mais organizado", disse Elias, após a derrota por 1 a 0 para o Nacional, do Uruguai, ontem.