Topo

Ruschel sobre saída da Chape: "calar a boca de alguns que falam bobagem"

Márcio Cunha/ACF
Imagem: Márcio Cunha/ACF

Do UOL, em Santos (SP)

22/08/2019 10h55

A Chapecoense oficializou ontem (21) o empréstimo de Alan Ruschel para o Goiás até o fim da temporada. Um dos sobreviventes do acidente aéreo com a delegação da Chape em 2016, o lateral desabafou e disse que aceitou a proposta do clube esmeraldino para 'provar que não depende da piedade de ninguém' e para 'calar a boca de alguns que falam bobagem'.

"Um desafio que tinha na minha vida era voltar a jogar em alto nível. Graças a Deus eu retomei isso, que era o mais importante. Agora é um novo desafio que eu busquei, acho que primeiro para provar para mim mesmo que não dependo da piedade de ninguém. E mostrar para o Brasil que muitos não enxergam e pensam que estou na Chapecoense por favor do clube", afirmou.

"Acho que só quem está aqui sabe que não é. Me dediquei para voltar. Minha ida para o Goiás é para mostrar para o Brasil que voltei a jogar em alto nível. Tanto que o treinador lá [Ney Franco] passou aqui e viu que posso ajudar", acrescentou em entrevista à NSC, afiliada da Globo.

A primeira passagem de Alan Ruschel pela Chapecoense foi em 2013, quando a equipe alviverde disputava a Série B. Na oportunidade, Alan disputou seis partidas e, posteriormente, foi transferido ao Internacional. Em 2016, a equipe gaúcha concordou com o empréstimo e o atleta retornou à Chape.

Naquela temporada, Ruschel fez mais seis jogos e viveu a experiência mais difícil da carreira e da vida: Alan foi um dos sobreviventes da delegação que viajava para a Colômbia para disputar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana.

O seu retorno aos gramados aconteceu pouco mais de nove meses após o fatídico dia 29 de novembro, em partida amistosa contra o Barcelona, no Camp Nou, dando uma prova de superação e emocionando ao mundo.

O primeiro gol após o retorno aconteceu contra o time da Roma, em 1º de setembro de 2017. De forma oficial, Alan voltou a balançar as redes em fevereiro de 2019, quando ajudou a equipe alviverde a vencer o Hercílio Luz pelo placar de 2 a 1. Nesta temporada, o atleta alcançou - na partida contra o Atlético-MG - a marca de 50 jogos com a camisa da Chape.

"Difícil sair, fiz jogos importante pelo clube. Ajudei o clube a subir para a Série A do Brasileiro, tive participação na Sul-Americana, fui campeão, estive junto na tragédia aérea. Momento difícil, mas primeiro para provar para mim que posso e que consegui. Infelizmente, para algumas pessoas, as coisas tomam uma outra proporção", declarou.

"Minha ida para lá é para calar a boca de alguns que falam bobagem, falam coisas que não devem. Se em algum momento incomodei alguém aqui, não foi por não trabalhar. Pelo contrário, saio de cabeça erguida por ter feito meu melhor aqui dentro", completou.