UOL Esporte Futebol

TOP 5 - O caminho sofrido do Inter até a grande decisão com o Chivas

O Internacional está muito próximo de ser bicampeão da Copa Libertadores da América. Por ter vencido o Chivas no jogo de ida por 2 a 1, no México, o time treinado por Celso Roth pode até empatar nesta quarta-feira, às 21h50min, no Beira-Rio, que garante o título. Favorito para a conquista, o Inter deixou pelo caminho o atual campeão, Estudiantes, um time emergente, o Banfield, e o sempre perigoso São Paulo. Confira os cinco pontos mais importantes da trajetória vermelha.

Primeira fase e o efeito Beira Rio

A primeira fase da competição já mostrou como seria difícil a caminhada do Internacional. Em um grupo com Emelec e Deportivo Quito, do Equador, e Cerro, do Uruguai, a equipe então comandada por Jorge Fossati, não conseguiu nenhuma vitória como visitante, mas fez valer o fator local e se garantiu em primeiro. Contudo, a classificação foi obtida somente na última partida e o desempenho não dava ao Inter a condição de favorito para as fases seguintes. Mesmo sem euforia, os colorados apoiaram o time de forma e garantiram a sequência no torneio. A única partida empolgante da primeira fase foi exatamente a última: 3 a 0 contra o Deportivo Quito, com o primeiro gol iluminado de Giuliano.


Experiência, malandragem e sorte contra o Banfield

Lucas Uebel/Vipcomm

Se os primeiro jogos foram duros, nas oitavas de final o Inter viu o sonho do bi complicar. O Banfield, a exemplo dos gaúchos na primeira fase, jogou muito bem em casa e contou com falhas individuais dos defensores brasileiros para aplicar 3 a 1. Após a partida, o técnico Jorge Fossati criticou a arbitragem pela expulsão de Kléber. No jogo de volta, com casa cheia, o Inter manteve o 100% de aproveitamento em Porto Alegre. A vitória por 2 a 0 apresentou uma equipe experiente, contando com a malandragem de Abbondanzieri para ganhar tempo quando o segundo gol foi marcado. Alecsandro marcou o primeiro e encaminhou a virada no jogo de 180 minutos.


Giuliano brilha na batalha de Quilmes

AFP/Alejandro Pagni

Nas quartas de final o Internacional reencontrou o Estudiantes de La Plata. Adversário batido na final da Copa Sul-Americana de 2008 e atuais campeões da Libertadores, Verón e companhia tinham o direito de definir a classificação na Argentina. A vitória por 1 a 0 no primeiro jogo foi pouco para o Inter, que entrou em campo, em Quilmes [o estádio do Estudiantes passava por reformas em La Plata], pressionado por torcedores e oponentes. Os argentinos venciam por 2 a 0 e estavam eliminando o Inter da competição, até que Giuliano saiu do banco de reservas para marcar, no último minuto, o gol que classificou o time brasileiro. No final da partida houve confusão e briga generalizada, que resultou nas suspensões de Lauro e Walter.


Celso Roth no comando e reedição da final de 2006

Junior Lago/UOL

Insatisfeita com o rendimento do time, a direção do Inter decidiu agir. Aproveitou a parada para a Copa do Mundo e trocou de treinador. Jorge Fossati deu lugar a Celso Roth. De cara, o treinador mexeu no time. Alterou esquema tático, promoveu a entrada de Renan no lugar de Abbondanzieri e fez a equipe ter posse de bola nas partidas. Logo no primeiro jogo pela competição continental, uma vitória por 1 a 0 contra o São Paulo, no Beira-Rio. A vitória só não foi maior pela falta de pontaria dos atacantes. No jogo de volta, muita tensão no Morumbi. O São Paulo saiu na frente, contando com falha de Renan. Porém, o Inter marcou logo em seguida com Alecsando e nem mesmo o gol de Ricardo Oliveira tirou a classificação dos gaúchos.


Imposição contra os mexicanos e título encaminhado

AP

Depois de tanto sofrimento para superar o São Paulo, o Inter foi recebido com festa em Porto Alegre. A vaga no Mundial de Clubes, em dezembro estava assegurada graças à classificação dos mexicanos do Chivas diante do Universidad de Chile. Mesmo assim, a meta era o título e o primeiro jogo da decisão ocorreria em Guadalajara, no estádio Omnilife, de gramado sintético. Com a bola rolando, o time colorado pouca importância deu para o solo e venceu de virada por 2 a 1, contando mais uma vez com Giuliano. Agora, diante da sua torcida, o time de Celso Roth precisa apenas de um empate para confirmar o bicampeonato continental, quatro anos depois da primeira conquista.


Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host