UOL Esporte Futebol
 
27/03/2010 - 10h10

Racismo nos campos e nas arquibancadas vira tema da ONU

Luciana Coelho
Da Folhapress
Em Genebra (Suiça)

A questão do racismo no esporte foi parar na ONU, em uma resolução para erradicá-lo apresentada pelo Brasil e por países africanos e aprovada nesta sexta-feira por uma rara unanimidade no Conselho de Direitos Humanos, em Genebra.

O texto cobra dos governos medidas práticas, como organizar e bancar campanhas pelo fim da xenofobia e da intolerância ligada a questões raciais nos campos e nas arquibancadas. A ONU convida também os países a incluírem o tema em seus relatórios sobre direitos humanos, apresentados a cada quatro anos ao conselho.

Dessa forma, será possível à entidade monitorar quais medidas cada governo está tomando para reduzir os incidentes. “Incidentes recentes pedem uma ação urgente e firme da comunidade internacional para combatê-los”, disse a embaixadora brasileira na ONU, Maria Nazareth Azevedo, na sessão. “Racismo e discriminação são incompatíveis com esporte”.

A resolução tem como gancho a Copa deste ano, na África do Sul, e a de 2014, no Brasil, além da Olimpíada do Rio-2016. “É uma iniciativa coerente com o que está acontecendo no Brasil e na África agora, com os grandes eventos. São momentos muito emblemáticos para fazermos uma campanha”, disse Azevedo à reportagem.

O gesto é tremendamente simbólico. A África do Sul foi banida da maioria das federações esportivas depois de a ONU adotar, em 1985, uma Convenção para a Eliminação da Discriminação Racial no Esporte. Retornou apenas após o fim do regime segregacionista do apartheid, em 1994.

“Hoje, a África do Sul está pronta para receber a Copa. O governo sul-africano trabalhará para fortalecer o tema ‘Diga Não ao Racismo no Mundial’, contribuindo para um clima de tolerância e diversidade”, declarou na plenária o sul-africano Luvuyo Ndimeni.

“Episódios de racismo acontecem todo dia e em todo lugar, mas agora estão se tornando mais comuns”, completou o embaixador nigeriano, Ostadinma Anaedu, ao apresentar o texto. “A resolução sublinha essa necessidade de investigar incidentes raciais, combater a impunidade e tomar medidas no campo do esporte”.

Com a aprovação, a Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, insere a questão na agenda do organismo e convida os dirigentes de entidades esportivas, como a Fifa e o Comitê Olímpico Internacional, a debater medidas para combater o problema.

A resolução ganhou dezenas de copatrocinadores. Para o embaixador britânico, Peter Gooderham, a iniciativa é ‘excelente’. “Grandes eventos internacionais são uma plataforma com muita influência para demonstrar a importância de se combater o racismo”.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host