UOL Esporte Futebol
 
Stan Honda/AFP

Neymar disputa a bola com norte-americano Bedoya na vitória brasileira por 2 a 0

11/08/2010 - 10h00

Com filosofia de campeão da Copa, Brasil comemora resgate do seu futebol-arte

Thales Calipo
Em Nova Jersey (Estados Unidos)

Se a Espanha ganhou a última Copa do Mundo apostando na qualidade do seu meio-campo e na troca de passes, a seleção de Mano Menezes iniciou a sua trajetória no caminho certo. A equipe que entrou em campo na última terça-feira e venceu os Estados Unidos por 2 a 0 mostrou um volume de jogo superior ao dos espanhóis na média e, de quebra, também resgatou a alegria característica do futebol brasileiro.

Durante a última Copa do Mundo, a Espanha teve uma média de 502 passes por jogo, com um percentual de acerto de 89,4%. Já a seleção brasileira, segundo dados do Datafolha, teve no último amistoso um total de 697 passes, sendo 651 destes certos, número que representa um aproveitamento de 93,4%.

Nos cruzamentos, a superioridade verde-amarela também se concretizou. Em 24 chutes tentados pelos brasileiros, seis tiveram sucesso, média de 25%. A Espanha, apesar ter sido a terceira seleção da Copa que mais utilizou o artifício (média de 26,3 por jogo) , teve um rendimento baixo. Conseguiu apenas 20,5% de acerto, o que lhe garantiu um modesto 21º lugar no ranking.

Os comandados de Mano também finalizaram mais e melhor que os de Del Bosque na Copa. Nesta terça, foram 21 finalizações no total, com uma média de acertos de 57,1%, sendo 10 bolas com destino certo e duas na trave. O número confronta a média espanhola de 16,3 finalizações por jogo e uma pontaria de 31,3%.

Apesar desse ótimo desempenho, o treinador da seleção brasileira prefere adotar um tom cauteloso sobre os jovens comandados. “Quando eles estrearam nos clubes, era tudo novidade. Eles eram ‘imarcáveis’, mas depois os adversários encontraram o caminho e, em alguns momentos, acabaram sendo até neutralizados. Mas será bom quando essa dificuldade aparecer, pois teremos de manter a confiança no jeito de jogar, coisa que acontecerá com experiência”, explicou o treinador da seleção.

Se o passe e a posse de bola foi algo comemorado com restrições por Mano Menezes, os jogadores da seleção preferiram exaltar o bom futebol apresentado durante o amistoso da última terça-feira.

“Você tem que se sentir leve para jogar. Nós sempre soubemos que o jogador brasileiro tem habilidade, tem ginga, então temos que colocar isso em campo, mostrar por que somos os melhores. O Mano passou isso pra gente, e nós entendemos o que ele queria, que era jogar solto, mas com responsabilidade”, destacou André Santos, autor da assistência do primeiro gol brasileiro.

“Mesmo que com pouco entrosamento, demos a resposta em campo, com um futebol alegre, bonito, como todos gostam. O brasileiro gosta de vencer e está acostumado a ver um futebol bonito, e é isso que esperamos fazer”, afirmou o zagueiro David Luiz.

“Tivemos uma estreia muito boa, com vitória e um futebol alegre. Conseguimos mostrar o nosso talento. Apesar do pouco entrosamento, fomos muito bem”, completou o meia Paulo Henrique Ganso.

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host