UOL futebol

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/08/13/rodolfo-do-atletico-pr-e-suspenso-por-dois-anos-por-uso-de-cocaina.htm
  • Rodolfo, do Atlético-PR, é suspenso por dois anos por uso de cocaína
  • 20/11/2018
  • UOL Esporte - Futebol
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Suspenso por dois anos, Rodolfo se diz arrependido por ter usado cocaína

Suspenso por dois anos, Rodolfo se diz arrependido por ter usado cocaína

13/08/2012 - 21h24

Rodolfo, do Atlético-PR, é suspenso por dois anos por uso de cocaína

Do UOL, em São Paulo

Rodolfo, do Atlético-PR, foi suspenso por dois anos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, com base no Código Mundial Antidopagem (CMAD) por ter sido flagrado em exame antidoping que acusou o uso de cocaína na partida contra o CRB, no dia 9 de junho.

A punição é a pena máxima prevista para o caso, e o clube deverá recorrer da decisão ao Pleno do STJD, na expectativa ao menos de ver essa pena ser reduzida. Rodolfo foi denunciado com base no artigo 2º, item 2.1, do CMAD, pela “presença de uma substância proibida ou de seus metabólicos ou marcadores em uma amostra colida do atleta”.

Rodolfo foi pego também no teste feito contra o Ceará, no dia 23 de junho. Se o Tribunal entender que este caso, assim como o primeiro, foi fruto de uma só atitude, pode ser descaracterizada a reincidência e a possibilidade de banimento.

A Procuradoria do STJD havia pedido a condenação do jogador alegando um novo conceito jurídico que passou a ser usado com a criação do CMAD. O entendimento é que os atletas são responsáveis por qualquer substância que entra no seu corpo.

O advogado Domingos Moro, que defende o jogador, trabalhava com alguns argumentos para evitar que a pensa fosse muito grande. O primeiro argumento é o fato de drogas como a cocaína não beneficiarem os atletas na questão física. Outro é a força de vontade do jogador, que confessou ser dependente químico e que está internado em uma clínica de recuperação.

O goleiro, que está internado em uma clínica desde o último dia 2, acompanhou o julgamento. “Como vocês sabem, eu sou dependente químico. Venho de família humilde e convive com muitos colegas nesse meio de drogas. Tive meu primeiro contato com 15 anos”, disse o atleta, de 21 anos.

“Nos dois últimos anos, [o uso de cocaína] veio se agravando, e eu não conseguia me controlar. O Atlético-PR em avisou sobre o caso e fique muito triste. A doença está fazendo muito mal. Estou muito arrependido do que fiz. Estou me entregando ao máximo à minha recuperação”, acrescentou.

Placar UOL no iPhone